Orienta-te Redes Sociais
Mário Rufino

Mário Rufino é licenciado em Língua e Cultura Portuguesa

O excerto

Se a mensagem é medíocre, é o mercado que a pede com essa qualidade. O culto pela facilidade é terreno fértil para a banalidade. É aqui que se situa o consumidor que toma “Prometo Falhar” como literatura. É a sua capacidade de descodificação que está posta em causa. Deve, então, interrogar-se sobre a origem da mediocridade e quem, afinal, é que a reflecte.

Chris/Flicrk

Crónica

"Prometo Falhar": um livro escrito em interacção com o público

A origem de “Prometo Falhar” foi um conjunto de sugestões deixadas pelos fãs no Facebook. A partir daí, Chagas Freitas obrigou-se a escrever uma crónica com base na sugestão mais votada: o Amor.

Texto de Mário Rufino • 17/12/2014 - 18:37

Distribuir

Imprimir

//

A A

Pedro Chagas Freitas (n. Guimarães; 1979) gere com muita competência as expectativas de quem o segue. A sua destreza na construção de um discurso encontra paralelo em Paulo Portas na política, ou Gustavo Santos na auto-ajuda.

 

Uma das muitas actividades deste dinâmico produtor de conteúdos é a escrita. Dos muitos textos já produzidos, uma pequena parte foi publicada. Dessa parte, há um livro que se tem destacado pelas vendas e permanência nos tops: “Prometo Falhar” (Marcador).

 

Apesar de todo este sucesso, a crítica literária hesita (ou recusa-se) a falar muito sobre o livro. A razão parece simples:

 

Analisar “Prometo Falhar” através da hermenêutica literária é um erro.

 

É um livro, mas este formato não vincula a literatura. Não estamos perante um texto literário dotado de literariedade (a “literaturnost” formalista) e construído por um escritor. Estamos perante um produto recreativo… que é muito bem vendido pelo seu produtor.

 

“Prometo Falhar” tem características interessantes: constrói e aproveita a relação entre as expectativas do leitor e o texto. Este livro, já com 16 edições, foi escrito em interacção com o público presente na página do facebook do seu autor. Os seguidores (cerca de 235.000) acumulam-se e transformam-se, como no caso da formação do PCF Movement (com cerca de 8.400), parte integrante da estratégia de "marketing".

 

A génese das múltiplas narrações de “Prometo Falhar” foi um conjunto de sugestões deixadas pelos fãs nessa página. A partir daí, Chagas Freitas obrigou-se a escrever uma crónica com base na sugestão mais votada. A temática – bem vendável - manteve-se inalterada: o Amor.

 

O papel de recriador de sentido, que pertence ao leitor de um texto, foi desvirtuado. O produto criado, ainda antes de existir no formato livro, já despertava a atenção do consumidor; foi feito “pronto-a-vestir”.

 

A cultura de massas, industrial, baseia-se neste princípio de “plug-and-play”. O produtor de conteúdos foi hábil na construção do produto e exímio na elaboração de um "marketing" que está na base da sua “personal brand”.

 

A mediocridade, a existir, não começa em Chagas Freitas; começa no leitor se ler “Prometo Falhar” como se fosse literatura. De outra forma, está simplesmente a exercer a sua saudável liberdade de gastar o seu dinheiro e matar o seu tempo como quer.

 

O consumidor não se iluda: esta marca pessoal ocupou, com muita habilidade, um espaço num mercado sedento de retórica e imagem. Pedro Chagas Freitas tem esse mérito. Muitos tentam, mas poucos conseguem.

 

Se a mensagem é medíocre, é o mercado que a pede com essa qualidade.

 

O culto pela facilidade é terreno fértil para a banalidade. É aqui que se situa o consumidor que toma “Prometo Falhar” como literatura. É a sua capacidade de descodificação que está posta em causa. Deve, então, interrogar-se sobre a origem da mediocridade e quem, afinal, é que a reflecte.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Investigação

Um estudo desenvolvido com ratos mostrou que há factores externos que influenciam o aparecimento da puberdade. As alterações foram visíveis em ratos de sexo...

Entre casais também há violações

Vídeo // A realizadora Chloé Fontaine chamou à curta metragem Je suis ordinaire — o que...