Orienta-te Redes Sociais
O livro conta a história de 47 artesãos que trabalham perto do rio Paiva

O livro conta a história de 47 artesãos que trabalham perto do rio Paiva João Rodrigues

Helena Caetano a falar com o moleiro Tiago Correia

Helena Caetano a falar com o moleiro Tiago Correia João Rodrigues

Joaquim Ribeiro Novo faz capuchas

Joaquim Ribeiro Novo faz capuchas João Rodrigues

O livro foi possível com a ajuda de uma campanha de crowdfunding. A ideia de fazer um documentário está em stand by

João Rodrigues

Memória

O livro onde cabem “os últimos artesãos do vale do Paiva”

Helena Caetano e João Rodrigues percorreram milhares de quilómetros em busca de artes e ofícios que estão em risco de desaparecer. A "viagem" deu origem a um livro, apresentado esta sexta-feira na livraria Lello, no Porto

Texto de Mariana Correia Pinto • 04/07/2014 - 11:30

Distribuir

Imprimir

//

A A

Cabem cesteiros, funileiros, latoeiros, oleiros, alfaiates, moleiros, um tamanqueiro, um fazedor de molhelhas e outro de capuchas, escultores e carpinteiros. Cabe quase meia centena de homens e mulheres, diferentes artes e ofícios (se algum nome acima escrito soa estranho não é caso para preocupação — já lá vamos) e uma mão-cheia da história de um país com pedaços a caírem no esquecimento. Helena Caetano e João Rodrigues partiram para o terreno há quase dois anos: percorreram cerca de oito mil quilómetros, ziguezagueando em volta dos 108 do Rio Paiva, e resgataram em fotografia e texto “os últimos artesãos do Vale do Paiva”, frase que dá título ao livro que agora editam.

 

Helena, professora de Educação Musical, tinha ficado sem emprego e procurava um projecto ao qual se agarrar. João, formado em Cinema e mais do que habituado ao trabalho como freelancer, embarcou na aventura. “Faço parte de uma associação chamada SOS Rio Paiva, de defesa e preservação do vale do Rio Paiva, e por ser dessa zona tinha contacto com alguns artesãos e tinha percebido que muitos deles tinham uma certa idade e que não havia quem continuasse o trabalho”, contou ao P3 Helena Caetano, 38 anos. “Numa fase em que estava em busca de coisas para fazer surgiu a ideia de um livro sobre os artesãos desta zona específica do vale do Paiva.”

 

Entre a aldeia de Carapito, que pertence a Moimenta da Beira, e Castelo de Paiva, onde o rio desagua, o casal descobriu cerca de meia centena de artesãos. Pesquisa prévia? “Foi pouca, não há catálogos nem inventários sobre o assunto, portanto a melhor maneira de encontrar as pessoas é ir ao café de qualquer aldeia e perguntar”, responde João Rodrigues, 33 anos.

 

Os muitos dias (calculam que uns 80 no total, espaçados em cerca de um ano) que passaram no terreno deram para encontrar artes e ofícios de que nem sequer tinham ouvido falar. Um exemplo? “O fazedor de molhelhas.” Ora digam lá outra vez: “Fazedor de molhelhas, que é uma espécie de almofada em que assenta a canga, colocada no cachaço dos bois”, elucida João.

 

Há outros pouco comuns. O tamanqueiro (é isso mesmo: faz tamancos) João Silva, de Castro Daire, era o último da zona a fazer este trabalho, um homem “com uma atitude que não é deste século” e com um “modo de vida incrível”: “Ia às sete da manhã para a oficina e trabalhava todo o dia”, diz Helena. “Fazia uns tamancos lindos e tinha até um cliente japonês. Infelizmente não teve ninguém que aprendesse com ele”, conta, acrescentando que o quase nonagenário faleceu entretanto, no início do ano. O funileiro Arnaldo Cândido, com oficina montada há pelo menos 30 décadas e, por isso, já conhecido de Helena, é um resistente nesta arte praticamente extinta: “Houve muito mercado para isso até aos anos 60, a partir daí houve uma queda abrupta”, diz João.

 

Preservar memória

Foi pela vontade de “preservar” gente e artes como estas que iniciaram o livro Os Últimos Artesãos do Vale do Paiva: “A ideia era procurar ofícios que não tivessem continuidade e estivessem em risco de desaparecer e de alguma forma registá-los para que pelo menos a história deles e algumas imagens do trabalho ficassem registados”, diz Helena Caetano, que não contava encontrar tanta gente no caminho.

 

“Quase 100%” dos artesãos com os quais se cruzaram têm “ofícios que estão a morrer”. “Alguns porque não fazem sentido, como os funileiros, mas outros apenas porque são consideradas coisas anacrónicas — e muitas delas não são.” Os cesteiros, por exemplo. As senhoras que fazem mantas de lã, outro. “São produtos com muito valor, mas ninguém está disposto a pagar o preço deles, mais do que justo”, lamenta João Rodrigues.

 

Perante o eminente desaparecimento das artes às quais se dedicaram em muitos casos durante uma vida, o casal encontrou entre os artesãos uma mistura de sentimentos: “algum conformismo próprio da idade” (a média de idades anda nos 80 anos) e “uma certa tristeza”. Muitos dos artesãos eram auto-didactas, mas muitos outros tinham aprendido desde miúdos com mestres ou com família — e a tristeza virá sobretudo daí, de não ter quem siga os passos deles, como eles seguiram os de alguém.

 

Esta sexta-feira (dia 4 de Julho), na Livraria Lello, no Porto, o casal apresenta o livro "Os Últimos Artesãos do Vale do Paiva", editado pela Planeta Vivo, com textos feitos pelos dois e fotografias de João Rodrigues. O documentário pode ser o próximo passo? “Já estivemos mais motivados para o fazer do que aquilo que estamos. Morreram dois dos [homens] que seriam as personagens principais do documentário, o tamanqueiro e um dos moleiros. Mas temos muito material e não está completamente posto de parte”, diz João. E Helena acrescenta com um sorriso: “Depois de descansar podemos pensar nessa hipótese.”

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Ensino

Projecto internacional Sachi2, coordenado em Portugal pelo Porto4Ageing, da Universidade do Porto, está a testar o impacto de projectos de educação...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...