Orienta-te Redes Sociais
Jorge Palinhos

Jorge Palinhos é escritor e docente do ensino superior

Excerto

Eram publicações mal impressas, mal paginadas, com gralhas e ilustrações borratadas, fixadas em papel mau, mas que fervilhavam de entusiasmo e de urgência. E os seus autores viviam para as fazer, para colaborar nelas ou para as trocar. Eram espaços de liberdade e partilha. Depois veio a internet e surgiram os blogues, os sítios e as webzines que as substituíram. Eram mais fáceis, mais baratos e supostamente mais universais. Mas, num meio virtual, tornou-se mais difícil acreditar na real existência e compromisso que implica uma fanzine em papel como a "Flan Zine"

DR

Crónica

O fanzine doce

Mas ao contrário dos fanzines em papel, onde as diferentes ideias chocavam e deflagravam nas suas capas, na web as ideias ficam muitas vezes sós e esquecidas, ou então vão sendo lentamente empurradas para o fundo da página, do ecrã, e da consciência

Texto de Jorge Palinhos • 23/12/2013 - 10:36

Distribuir

Imprimir

//

A A

Diz que é o número dois de Dezembro de 2013, a capa do exemplar do "Flan Zine" que tenho nas mãos, e que o seu tema é o medo. É uma publicação pequena, em formato A5, de uma impressão cuidada num papel de qualidade, com um design sóbrio, quase todo a preto e branco, exceto nas páginas centrais, cujas fotos e ilustrações rebentam em cor. Na ficha técnica diz que é uma "Receita de João Pedro Azul e Luís Olival", com edição de João Pedro Azul, e a sua lista de colaboradores e temas é eclética, com nomes conhecidos e desconhecidos da ficção, da poesia, do teatro, do ensaio, da ilustração e da fotografia.

 

Talvez não seja totalmente diferente das páginas literárias e de arte que povoam hoje a web, mas a impressão, o formato, a ironia, levaram-me para a memórias dos fanzines dos anos 70 e 80, que emergiram no fluxo das novas tecnologias de impressão, mais baratas e acessíveis, que faziam crer que qualquer um podia espalhar as suas ideias ao mundo.

 

E durante algum tempo tentou-se. Para todas as áreas — na música alternativa, na BD, no esoterismo, na poesia, na filosofia, na política, na ficção de género — havia gente a escrever e a publicar notícias, ideias, boatos e delírios, em fanzines que se empilhavam em bares e lojas para comprar e levar.

 

Eram publicações mal impressas, mal paginadas, com gralhas e ilustrações borratadas, fixadas em papel mau, mas que fervilhavam de entusiasmo e de urgência. E os seus autores viviam para as fazer, para colaborar nelas ou para as trocar. Eram espaços de liberdade e partilha. Depois veio a internet e surgiram os blogues, os sítios e as webzines que as substituíram. Eram mais fáceis, mais baratos e supostamente mais universais. Mas, num meio virtual, tornou-se mais difícil acreditar na real existência e compromisso que implica um fanzine em papel como o "Flan Zine".

 

Um dia, no meio da febre dos fanzines, um amigo contou-me que tinha sonhado que todas as pessoas do mundo estavam na rua a trocar papéis — fanzines — entre si. Esse sonho tornou-se hoje realidade no Twitter, no Facebook e noutras redes sociais, onde cada pessoa é um distribuidor ou redistribuidor de informações e ideias. Mas ao contrário dos fanzines em papel, onde as diferentes ideias chocavam e deflagravam nas suas capas, na web as ideias ficam muitas vezes sós e esquecidas, ou então vão sendo lentamente empurradas para o fundo da página, do ecrã, e da consciência.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Documentário

Duas realizadoras espanholas investigaram os mitos enraizados sobre as mulheres solteiras: descobriram testemunhos reais e revelaram preconceitos escondidos....

E as melhores fotografias da vida...

National Geographic // A National Geographic anunciou os vencedores da edição de 2017 do concurso...