Orienta-te Redes Sociais

Curta

As mulheres de "Bué Sabi" sem papas na língua

A cineasta Patrícia Vidal Delgado pegou em três mulheres e transformou-as em personagens “fortes e interessantes” na premiada curta-metragem “Bué Sabi”

Texto de Lusa • 28/08/2013 - 15:06

Distribuir

Imprimir

//

A A

Os “muitos filmes” que retratam os bairros sociais têm “pouco foco nas mulheres”. A cineasta Patrícia Vidal Delgado pegou nelas e transformou-as em personagens “fortes e interessantes” na premiada curta-metragem “Bué Sabi”.

 

Em entrevista à Lusa, a realizadora portuguesa, formada em Londres, explicou que “Bué Sabi” fez “a apresentação” de três personagens (uma cabo-verdiana, uma cigana e uma branca), todas jovens mulheres, cujas histórias vão ser desenvolvidas em três curtas-metragens distintas.

 

As personagens de “Bué Sabi” não têm “papas na língua”, recorrendo a palavrões e a uma linguagem agressiva, exprimindo-se “por vezes de maneiras que não são assim tão femininas, mas que são verdadeiras e sentidas”, descreve a realizadora.

 

Depois de ter sido premiada como melhor curta-metragem no Festival de Avanca, no mês passado, “Bué Sabi” vai ser exibida no Festival de Curtas-Metragens de Faro (Farcume), que começa na quarta-feira, e também está selecionada para o Shortcutz.

 

Financiamento complicado

A curta-metragem sobre a cabo-verdiana Isa, a primeira da trilogia que será produzida pela Vende-se Filmes, deverá estar pronta em Novembro, para ser lançada em 2014. No final, Patrícia Vidal Delgado gostava de poder transformar a trilogia numa longa-metragem, mas “está complicado” obter financiamento em Portugal. A personagem de Isa será interpretada por Sofia Furtado, que faz parte do Teatro do Oprimido e “tem um papel activo na comunidade” a que pertence.

 

O objectivo é “questionar os problemas do dia-a-dia, do racismo, do sexismo, infelizmente algo que ainda existe muito na comunidade cabo-verdiana e também na guineense, em que a mulher é um pouco subvalorizada”, realça a realizadora.

 

A geração mais nova demonstra “frustração” face a essas atitudes, enquanto as mulheres mais velhas sofrem de “aceitação e apatia”, compara. Mulheres como Sofia Furtado são “fortes, sabem o que querem e o que não querem e não têm medo de o dizer, mas, apesar disso, estão numa comunidade onde os rapazes da mesma idade delas têm atitudes que não são muito saudáveis”, avalia.

 

Os cineastas da Vende-se Filmes têm trabalhado a temática dos bairros sociais. Patrícia Vidal Delgado diz que o actual clima nesses contextos é de “muito conflito” e “revolta” para com as autoridades, na sequência de episódios entre jovens e polícias, que por vezes culminam em mortes. Recordando ter ouvido uma menina de quatro anos dizer “polícia é mau”, à passagem de um carro com agentes, a cineasta não duvida de que seja “uma desconfiança que tem um porquê”.

 

Temendo que as coisas estejam “a mudar para pior”, prefere salientar o lado bom dos bairros, que têm um sentido “de comunidade”, onde as pessoas se ajudam. “Não temos isso aqui, no centro de Lisboa. Eu não conheço o meu vizinho, não sei quem é”.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Arquitectura

Fica na Avenida Camilo, no Porto, e ocupa uma área total de fazer inveja: 5800 metros quadrados. Bem-vindos à BLIP, empresa tecnológica portuguesa, detida por...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...