Orienta-te Redes Sociais
Miguel Gomes

Miguel Gomes AFP

Cinema

"Tabu" e outros filmes “independentes do poder político e económico”

O realizador Miguel Gomes, cujo filme "Tabu" recebeu dois prémios no Festival de Cinema de Berlim, explica que o sucesso do cinema português não passa pelos apoios do Estado

Texto de Lusa • 19/02/2012 - 14:07

Distribuir

Imprimir

//

A A

Uma parte do sucesso do cinema português em festivais estrangeiros explica-se pela sua independência relativamente “ao poder político e económico”, disse à agência Lusa o cineasta Miguel Gomes, cujo filme “Tabu” recebeu dois prémios na Berlinale.

 

Tabu” recebeu o prémio Alfred Bauer para a Inovação e o prémio da crítica no Festival de Cinema de Berlim. No sábado, no discurso de agradecimento pelo primeiro destes prémios, Miguel Gomes recordou a “independência” de cineastas como João César Monteiro ou Pedro Costa. “Contrariamente a uma ideia feita de que o cinema português é muito para dentro, a verdade é que, nas últimas décadas, desde o Paulo Rocha com ‘Os Verdes Anos’ e o Fernando Lopes com o ‘Belarmino’, em 1962 ou 1963, os filmes portugueses têm despertado grande interesse [no estrangeiro], mesmo que não faça milhões de espectadores em todo o mundo”, disse Gomes à Lusa.

 

A falta de dinheiro

Para o realizador de “Aquele Querido Mês de Agosto”, é notável que um cinema “feito com tão poucos recursos, feito artesanalmente, com tão poucos filmes produzidos anualmente, tenha tido sempre alguma visibilidade em festivais de cinema, e tenha adeptos fervorosos”. Miguel Gomes explica esse “gosto que há pelo cinema português lá fora” pela ideia de “uma liberdade artística” de que os cineastas desfrutam em Portugal: “Essa liberdade tem a ver o com facto de os filmes [portugueses] serem independentes do poder político e do poder económico, coisa que hoje em dia se calhar não é tao evidente. Neste momento acho que estamos todos à mercê de poderes económicos.”

 

O cineasta insurge-se contra o “mito” da subsidiodependência do cinema português, notando que os filmes actualmente são financiados através de uma taxa sobre as receitas publicitárias do audiovisual. “Tabu é uma coprodução de quatro países — Portugal, França, Alemanha e Brasil. Nos outros três países, o dinheiro saiu de fundos públicos. Nós, ao contrário do que se diz, [não recebemos] dinheiro do Orçamento Geral do Estado, excepto indirectamente via RTP”, afirma Gomes.

 

“Aquele discurso de que os contribuintes estão a pagar um cinema que interessa a pouca gente é um mito popular que eu acho completamente falso.” Apesar da exposição internacional alcançada pelos seus filmes, Miguel Gomes não pensa em sair do país. “Sou português e portanto a minha experiência de vida, os meus interesses situam-se aqui. Gosto de filmar coisas com que me possa relacionar de forma pessoal”, diz. “Podia passar por isso, fazer filmes noutros países, mas tenho interesse em continuar a filmar no meu país”, acrescenta.

Eu acho que

Pub

Indústrias Criativas

Prémio Estágios

Na estante de Jorge Santos há uma prateleira unicamente dedicada aos seus cadernos. Não importa se são azuis, vermelhos, com argolas ou agrafos,...

Os burros do João são a vida dele

Perfil // Aos 32 anos, este médico veterinário de Paredes de Coura já viajou por todo o...