Orienta-te Redes Sociais
O actor e produtor J.D. Duarte (Culatra) e o actor e realizador Luís Ismael (Ton

O actor e produtor J.D. Duarte (Culatra) e o actor e realizador Luís Ismael (Tone) Manuel Roberto

"O Último Capítulo é uma mistura de filmes de artes marciais com o James Bond e

"'O Último Capítulo' é uma mistura de filmes de artes marciais com o James Bond e a Missão Impossível" DR

Encostámo-los à parede, mas mesmo assim não conseguimos saber como tudo acaba

Encostámo-los à parede, mas mesmo assim não conseguimos saber como tudo acaba Manuel Roberto

O filme encontra-se agora em pós-produção

O filme encontra-se agora em pós-produção Manuel Roberto

Audio

E como seria um final à Walt Disney?

A situação que provocou o primeiro "Balas & Bolinhos"

As semelhanças entre a personagem e a pessoa por Tone e Culatra

Internacionalização: o Rato a falar italiano?

Eles ainda se riem com:

Luís Ismael: "Se alguém te perguntar se andas a vender droga na escola, tu não sabes de nada: é farinha, queres ser padeiro, estás a treinar."

J.D. Duarte: "Eu não devo nada a ninguém. A única coisa que devo é dinheiro."

Filme

“Balas & Bolinhos 3”: Rato, Tone, Culatra e Bino morrem aqui?

Estreia a 6 de Setembro "Balas & Bolinhos - O Último Capítulo", filme que encerra a primeira trilogia do cinema português. Estes criminosos com pouco tento na língua já são quase profissionais

Texto de Amanda Ribeiro • 28/01/2012 - 11:34

Distribuir

Imprimir

//

A A

A t-shirt do Bino já dava um filme. Conhecer a história da t-shirt do Bino é perceber o fenómeno "Balas & Bolinhos". Expliquemos. Em 2000, o primeiro "Balas" estava cá fora e foi uma verdadeira reunião de amigos. O guarda-roupa era o que andava lá por casa e, ao mais tácito do grupo, calhou a t-shirt azul com um tubarão, comprada por Luís Ismael aka Tone naquela loja dos centros comerciais que tem um urso à porta.

 

Em 2004, chega "O Regresso", uma caça ao tesouro, verdadeiro Indiana Jones à portuguesa. Antes das filmagens, os autores decidiram que todos mudariam de farpela (ou ficariam mesmo sem ela), mas não Bino, que continuaria condenado a tamanha indumentária. O problema era saber onde é que teriam guardado a t-shirt. Veio a ser descoberta mais tarde, na serralharia do irmão de Jorge Neto (Rato), onde esteve três anos a "estagiar" como auxiliar de limpeza de óleo.

 

Em "O Último Capítulo", que encerra a trilogia, a t-shirt foi tratada como uma rainha, um autêntico "espólio de museu". Depois da lama e da água do segundo filme, receava-se que se desintegrasse. Bino (João Pires) teve de vestir outra t-shirt por baixo para a proteger, todos os dias era guardada em máxima segurança. J.D. Duarte, mais conhecido por Culatra, o verdadeiro cérebro das operações, chegou mesmo a contactar o fabricante no Canadá, na esperança de conseguir uma cópia da peça VIP. Em vão: "Deus criou a Monica Belucci e depois deitou o molde fora. A t-shirt do Bino foi a mesma coisa."

 

A t-shirt do Bino já dava um filme, mas esta é a sua história verídica. Luís Ismael, actor e realizador, e J.D. Duarte, actor e produtor, estão numa das salas da Lightbox, a produtora que criaram, a recordar a história. Quase choram a rir. E no terceiro filme? O que acontece à t-shirt? "Sobreviveu e está bem de saúde! Um dia ainda vai para uma exposição", garante Luís Ismael.

 

Antes da reforma

Doze anos depois, continuam as gargalhadas e, principalmente, a "vontade de fazer filmes", aquilo que verdadeiramente os move. Com estreia marcada para 6 de Setembro, o último filme da saga mostra Rato, Tone, Culatra e Bino envolvidos "na alta roda da espionagem internacional". "O Último Capítulo é uma mistura de filmes de artes marciais com o James Bond e a Missão Impossível", conta o realizador. Nele, estes criminosos "à portuguesa" já são quase, quase profissionais. Estão mais maduros, mas "não há rendição possível", garante J.D. Duarte. "A pior coisa que poderíamos fazer era dar-lhes um final Walt Disney", acrescenta Luís, atirando alguns - hilariantes - finais alternativos (ouvir som à esquerda).

 

O enredo mantém-se no segredo dos deuses. O que se sabe: há mais personagens, algumas desempenhadas por nomes bem conhecidos do grande público, como Jel, Fernando Rocha, Francisco Menezes e, até, Jason Ninh, actor vietnamita que entrou em "Snatch - Porcos e Diamantes", mas também por fãs que compareceram aos castings; Foi filmado em ultra alta definição, em vários pontos do país, e também lá fora, já para piscar o olho à possível internacionalização; Não obteve apoios financeiros, mas apenas logísticos, contando com um orçamento de 500 mil euros, suportados pela Lightbox; Entra um porco, que "vai ser uma vedeta", mas foi recusado por um jardim zoológico no minuto em que foi dado a conhecer o filme em que tinha trabalho. É o "preconceito" em relação ao "nefasto" nome "Balas & Bolinhos", dizem.

 

Este género de comédia sem freio, em que a linguagem quer-se "autêntica e verdadeira" ("Eu não estou a ver alguém a ficar chateado e a dizer 'bolas, pá'") pode gerar algumas inimizades. "Muitos gostam de ver, mas não assumem. A única coisa que queremos é fazer filmes e divertir as pessoas. Já existe tanta gente a fazer cinema de autor, a querer ser o próximo génio do cinema português, a preparar-se para assumir o papel do Manoel de Oliveira", desabafa Luís.

 

A seu favor têm os números: em 2004, com seis cópias do segundo filme em todo o país, atingiram os 58 mil espectadores, algo brutal para um projecto independente. Em 2010, quando a SIC Radical voltou a exibir os filmes, os dois somaram mais de 600 mil espectadores. Desta vez, com nove meses de antecedência, a Lusomundo decidiu começar a exibir o "teaser" (vídeo acima) e já demonstrou interesse em ter "O Último Capítulo" em, pelo menos, 30 salas, com a expectativa de alcançar 200 mil espectadores. "O terceiro Balas só existe porque fomos muito acarinhados pelas pessoas. Este filme é a melhor coisa que podemos fazer para os fãs da série. É um grande obrigado a quem manteve o filme vivo", diz o realizador.

 

Rato, Tone, Culatra e Bino morrem aqui, para algum desgosto de Luís Ismael, que cresceu no cinema a vibrar com o conceito de "personagens" e "heróis". Fica, no entanto, uma ressalva do próprio, citada textualmente para não deixar dúvidas: "Se, algum dia, lá por volta dos 60, 70 anos, ainda tivermos boa disposição e não tivermos umas barrigas opulentas de podres de ricos que vamos ficar, poderemos, se ainda estivermos os quatro dentro do prazo de validade, fazer o "Balas & Bolinhos - A Reforma". Nós de andarilho e algália. Isso era giro, reactivar assim as personagens." Pode ser uma esperança.

Eu acho que

Pub

Ilustração P3

Fotografia

Antropólogo apaixonado por fotografia tem milhares de imagens de lugares abandonados, entre Portugal e outros países. Agora, o seu "Proj3ct Urbex" está num...

Ser mãe é a melhor coisa do mundo?...

Ilustração // Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Ser mãe nem sempre é a melhor coisa do mundo...