Orienta-te Redes Sociais

Kimberly Richards/Unsplash

Festival

Muvi à espera de cinema e música... e de "crowdfunding"

De 1 a 6 de Dezembro, o Cinema São Jorge volta a receber o Festival Internacional de Música no Cinema. Campanha de "crowdfunding" online até 13 de Novembro

Texto de Rita Neves Costa • 30/10/2015 - 13:06

Distribuir

Imprimir

//

A A

"E se a música pudesse ser vista?" É desta forma que o Muvi Lisboa convida o público para a segunda edição do Festival Internacional de Música no Cinema. O quartel-general continua a ser o Cinema São Jorge e o "timing" do evento condiz com um dos meses mais frios do ano: de 1 a 6 de Dezembro, a música pode ser vista, escutada e debatida.

 

A tónica principal mantém-se na produção cinematográfica. Ao contrário do ano passado, em que tiveram de competir com os demais eventos em Lisboa e nos distritos vizinhos, o Muvi Lisboa preferiu apostar no Outono e deixar que Setembro terminasse com a panóplia de festivais de Verão. “Tínhamos sempre contingências de público devido à Festa do Avante, por exemplo”, afirma Filipe Pedro, director do festival. Embora de natureza diferente, o certo é que o público do Muvi tanto pode estar numa sala de cinema a ver um documentário sobre música, como num concerto político-cultural na Quinta da Atalaia, no Seixal.

 

“O público principal são estudantes, jovens entre os 18 e os 26 anos, estão habituados a frequentar festivais de música”, salienta. As 2.000 pessoas da edição de 2014 acarinharam o festival de cinema e “gostaram da programação eclética”. A segunda edição mantém grande parte da estrutura, com uma secção competitiva, uma outra não competitiva e os eventos paralelos. “Para se chamar festival tinha de ter competição”, explica Filipe.

 

Os 300 filmes que chegaram à organização até 30 de Setembro são longas e curtas-metragens, documentários e videoclipes de todo o mundo. A decisão de premiar os melhores caberá a um júri externo, composto por nove elementos, entre os quais se destacam o jornalista do PÚBLICO Vítor Belanciano, Filipe Araújo (vencedor de melhor filme português em 2014) e David Santos, mais conhecido por Noiserv.

 

O Muvi volta com os “concertos um pouco diferentes do habitual”, em que os artistas vêem e discutem os seus próprios videoclipes com o público. “Sabemos que o Muvi Lisboa faz coisas que já existem e que somos muito pequeninos”, diz Filipe Pedro, para justificar a necessidade de o festival recorrer ao "crowdfunding". A meta é atingir os 2.500 euros até 13 de Novembro. No entanto, a organização tem noção de que caso o dinheiro total não seja angariado, o financiamento terá de vir “do próprio bolso” ou das festas que o Muvi foi organizando durante o ano.

 

A preocupação é que as “pessoas saibam que não estão a ser roubadas” e, por isso, os beneméritos terão alguns benefícios, como "merchandising" e preços mais acessíveis no festival. Os bilhetes estarão à venda no Cinema São Jorge, a partir de três euros para as sessões de cinema e cinco euros para os concertos.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Redes sociais

Mário Tarouca

Sem Facebook, sem Instagram, sem Linkedin. “Adiós! See yaaa! Adeus!”: Mário Tarouca despediu-se dos “amigos” das redes sociais para viver um mês sem a pressão...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...