Orienta-te Redes Sociais

Conta de @philgonzalez

5 @igers essenciais

@saturninofarandola (Itália)

@justiciere (Berlim)

@timbrado (França)

@missunderground (Londres)

@isabelitavirtual (Espanha)

Entrevista

Phil Gonzalez, o criador do universo @Igers

Se hoje há mais de 300 grupos locais de instagramers em todo o mundo, a responsabilidade é dele: @PhilGonzalez. O P3 foi saber mais sobre os bastidores da rede @Igers

Texto de Amanda Ribeiro • 23/08/2013 - 18:35

Distribuir

Imprimir

//

A A

O espanhol Philippe Gonzalez tem 37.513 pessoas a olhar para ele (pelo menos). É para eles, os seguidores da conta @Igers, que o "manIger" @philgonzalez se desdobra em posts e encontros, desafios e tutoriais, depois de passar o dia a trabalhar na distribuidora Chello Multicanal. Tudo começou pelo seu perfil pessoal. Seguiu-se o Instagramers.com e a conta @Igers; depressa começaram a pedir-lhe informações sobre a criação de grupos locais. Hoje há 350 grupos em todo o mundo — do @IgersMadrid ao @IgersMalaysia — e a sua agenda pessoal confunde-se com a do Instagram. Marca, por exemplo, férias de acordo com os InstaMeets (no início do mês esteve em Portugal, onde até gravou uma "curta" com pessoal do @IgersPortugal para o "seu" Ministory). "É um momento especial que pode durar um, dois anos. Não sabemos. Por isso, desfruto-o ao máximo."

 

Como é que a rede @Igers nasceu?

Na minha empresa, eu sou o responsável pela comunicação na Internet nas várias plataformas. Há dois anos e meio, descobri a app do Instagram. Abri o blogue Instagramers, onde comecei a escrever tutoriais e críticas de apps. Também comecei a fazer entrevistas a utilizadores interessantes. Rapidamente, as pessoas começaram a pedir-me para as ajudar a criar grupos locais com a marca Instagramers. Lançámos grupos em Barcelona, Madrid e outros grupos em Espanha e depois juntaram-se Londres, Paris, Milão, Manila, São Francisco e Singapura — até agora existem 350 grupos no mundo. Mesmo que alguns sejam mais activos que outros, a rede @Igers tornou-se na principal rede de fãs do Instagram em todo o mundo. Organizamos todo o tipo de eventos. Já escalámos um vulcão durante um Instameet (com os @IgersCatania, a equipa siciliana), organizámos encontros e exposições e já estivemos em destaque no blogue do Instagram quando me entrevistaram no ano passado. Foi muito importante ter este reconhecimento oficial. No próximo sábado, 24 de Agosto, em San Diego [Califórnia], vamos tentar ultrapassar os números do Instameet mais concorrido de sempre — o dos @IgersMadrid, que teve 242 pessoas — com o evento #TheWorldsLargestInstameet. Esperamos chegar às 500 pessoas.

 

Qualquer pessoa pode criar um grupo local @igers? Qual é o processo?

Qualquer pessoa que seja um utilizador do Instagram apaixonado, entusiasta, pronto para dedicar muitas horas por semana à comunidade pode ser um gestor local. Um "manIger", como lhe chamamos. Geralmente, as pessoas escrevem-me e pedem-me para abrir um grupo local. Eu faço-lhes algumas perguntas sobre o projecto e envio-lhes o logo e algumas dicas. A partir daqui, eles têm os seus próprios projectos e são livre para fazer (quase) tudo o que querem. Nós damos muitos conselhos na web mas também temos um grupo privado no Facebook que nos mantém em contacto.

 

E no Instagramers.com? Quanto tempo passas a trabalhar nele?

Demasiado (risos). Tento publicar três a quatro posts por semana. E depois partilho-os em várias redes. Isso pode demorar duas a três horas por dia. Eu escrevo a maioria dos artigos, mas conto com a @kimberlysunster que me ajuda na redacção de conteúdos e a promover eventos e concursos. Também tenho de responder a dúvidas, entrevistas e de pensar nos meus vários projectos. É muita coisa… Mas entre o ginásio e outro "hobby", eu escolho o meu blogue. Dá-me muita alegrias, boas surpresas e trouxe-me experiências maravilhosas.

 

Muitos igers criticam a introdução de vídeo no Instagram. Qual é a tua opinião?

A princípio fui contra porque considero que o Instagram deu um grande impulso à "mobile photography", mas depois percebi que o Instagram é uma plataforma para aproveitar e partilhar a vida e as emoções. E os vídeos são uma forma importante de comunicar. O Vine é um concorrente sério ao Instagram e eu percebo que o Instagram não podia ficar à parte e ver o seu principal concorrente (Twitter) a vencer o jogo.

 

Instagram Video ou Vine (Twitter): quem vai ganhar?

Como podes ler neste artigo, eu acho que o Instagram está muito mais pronto para combater o Vine. Já têm 120 milhões de utilizadores que não precisam de criar uma nova comunidade e construir conexões. Já têm os seus amigos e seguidores, por isso não há a necessidade de construir outra rede. E agora a possibilidade de fazer uploads de vídeos da tua galeria vai dar ao Instagram outra ferramente forte. Acho que o Instagram vai ganhar…

 

Como será o Instagram no futuro? E quanto à "iPhoneography"?

Eu penso que a "iPhoneography" está a transformar-se em “mobile photography”, já que não se pode deixar de lado as pessoas que tiram fotografias com outros equipamentos. Por isso vamos começar a ouvir falar mais sobre “mobile photography”. Sem o Instagram, a “mobile photography”/"Iphoneography" continuaria a ser um interesse de uma comunidade minoritária. Sem o Instagram, muitos “mobile photographers” continuariam na sombra. As marcas estão a olhar para estas pessoas e a oferecer-lhes uma oportunidade. O Instagram vai ajudar estes artistas a aceder a galerias de arte no futuro. No Instagramers, já estamos a falar com associações culturais e fundações com o objectivo de espalhar a “mobile photography” como uma nova forma de arte.

Eu acho que

Pub

Ilustração P3

Fotografia

A Lilly foi a primeira companhia e “o primeiro amor” de quatro patas de Jasmina Lozar. “Quando a adoptei tinha agressivos ataques de asma e ela levava-me em...

A realidade nua e crua de um parto...

Fotografia // "Alerta: um parto é acontecimento bonito, mas é também turbulento e...