Orienta-te Redes Sociais
Um desenho para Resende

Tiago André

Entrevista

Júlio Resende: A morte cada vez me preocupa menos

Revelámos os negativos inéditos (Tiago André) e recuperámos uma entrevista gravada em 2008 (Natália Faria)

Texto de Natália Faria • 21/09/2011 - 12:46

Distribuir

Imprimir

//

A A

Já lhe chamaram o maior pintor português de sempre. Aos 90 anos, Júlio Resende continua inquieto. Mais na cabeça do que na tela porque, para isso, as forças já não chegam. E as suas mãos já não são deste tempo.

 

No atelier de Júlio Resende não bate o sol. O pintor explica que a luz em excesso deturpa as cores na tela. O rio Douro não se vê - adivinha-se, ao fundo.

 

O que se vê por uma parede envidraçada é um jardim com metros quadrados suficientes para albergar um diospireiro e um melro-preto. Não há sinais dele durante a conversa. Se calhar por ser demasiado cedo.

 

Júlio Resende sempre gostou das manhãs por causa da expectativa que estas lhe trazem. Cartoonista, autor de histórias aos quadradinhos e ilustrador, além de pintor, dobrou em Novembro a esquina dos 90 anos.

 

Uma semana depois, deram-lhe como presente uma morada definitiva para a sua "Ribeira Negra", que esteve anos a ganhar poeira num armazém. Agora, pode ser vista no edifício da Alfândega do Porto. Agora sim, o homem a quem um acidente nas falangetas impediu de se tornar pianista, diz-se feliz.

 

Ainda instintivo, ainda inquieto, gostava que a casa que construiu para si lhe servisse de epitáfio. E gostava, sobretudo, de ainda ter forças para pintar um quadro grande antes de concordar com a iminência da morte.

 

Duvida da pertinência da sua voz e não percebe porque teimam em pôr-lhe gravadores à frente. Homem dado a inverter a ordem estabelecida, é ele que arranca com a entrevista. "Não sei por que me querem entrevistar..."

 

Lê a entrevista no PÚBLICO

Eu acho que

Estes vinis são a cara de Mr. Mute

Fotografia // Esta fotogaleria mostra 35 dos 70 discos que Mr. Mute partilhou no Fusing —...