DR

Arte

Vhils volta a Hong Kong para inaugurar exposição

"Remains" é o nome da nova exposição de Vhils em Hong Kong, com inauguração marcada para 30 de Novembro. Trabalhos foram desenvolvidos e inspirados naquele território

Texto de Lusa • 28/11/2017 - 12:18

Distribuir

Imprimir

//

A A

O artista português Alexandre Farto, que assina Vhils, inaugura esta quinta-feira, 30 de Novembro, em Hong Kong Remains, uma exposição composta por trabalhos novos desenvolvidos e inspirados naquele território que ficará patente até 5 de Janeiro de 2018.

 

Em Remains, que estará patente na galeria Over the Influence, Vhils irá apresentar "um novo conjunto de trabalhos, desenvolvidos e inspirados em Hong Kong", de acordo com o texto de apresentação da mostra. A galeria refere que o trabalho do artista português "está há muito ligado ao contexto urbano e reflecte e espelha a experiência humana de habitar uma megalópolis contemporânea".

 

Em Maio, Vhils inaugurou a sua primeira exposição individual em Macau, Debris, nas Oficinas Navais de Macau, que deveria ter ficado patente até 5 de Novembro. No entanto, em Agosto teve que ser cancelada devido a danos nas peças e no local, causados pelo tufão Hato. A par da exposição, realizou naquele território uma série de murais.

 

Em Junho, estreou-se a solo em Pequim, no Cafa Art Museum, com a exposição Imprint, constituída inteiramente por trabalhos novos, cerca de 70 retratos esculpidos em baixo relevo, que espelham "a reflexão contínua do artista sobre a relação entre as cidades contemporâneas e os seus habitantes". A sua primeira exposição individual em Hong Kong, Debris, foi inaugurada em Março do ano passado. Uma mostra que reflecte a cidade e a identidade de quem nela habita para ver e, sobretudo, "sentir".

 

Nascido em 1987, Alexandre Farto cresceu no Seixal, onde começou por pintar paredes e comboios com graffiti, aos 13 anos, antes de rumar a Londres, para estudar Belas Artes, na Central Saint Martins. Captou a atenção a "escavar" muros com retratos, um trabalho que tem sido reconhecido a nível nacional e internacional e que já levou o artista a vários cantos do mundo. Além de várias criações em Portugal, Alexandre Farto tem trabalhos em países e territórios como a Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Brasil. Em 2014, inaugurou a sua primeira grande exposição numa instituição nacional, o Museu da Electricidade, em Lisboa: Dissecação/Dissection atraiu mais de 65 mil visitantes em três meses. Em 2015, o trabalho de Vhils também chegou ao espaço, através da Estação Espacial Internacional, no âmbito do filme O sentido da vida, do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que