Fotografar para dar vida às mulheres da Guiné-Bissau

autoria P3

// data 26/10/2017 - 11:57

// 4602 leituras

Em Maio de 2016, a organização não-governamental VIDA (em colaboração com a produtora audiovisual Bagabaga Studios e com a Eyes On The Street) pediu aos portugueses que doassem material fotográfico digital em desuso para que 28 mulheres e mães da Guiné-Bissau pudessem participar num workshop de fotografia. Recordas-te? Fotografar É Dar Vida é o nome da exposição que resulta do trabalho das fotógrafas amadoras guineenses e que estará patente no Porto até ao dia 2 de Novembro, na Galeria Geraldes da Silva. Com o objectivo de sensibilizar o espectador para a elevada taxa de mortalidade materno-infantil registada no país, as mulheres felupes, originárias das comunidades rurais de Suzana e Varela, passaram três semanas a utilizar a fotografia como forma de expressão e partilha das suas experiências e rotinas. "Através de uma metodologia participativa, designada photovoice, as imagens captadas foram um ponto de partida para um debate comum e uma compreensão alargada sobre a perspectiva pessoal de cada uma destas mulheres e do grupo", informou a ONG, em comunicado ao P3. E levantam reflexões: "O que é ser mulher felupe? O que significa ser mãe? Como se transmitem as tradições culturais? Como garantir uma maternidade saudável?". Da actividade fotográfica resultaram mais de cinco mil fotografias e apenas 26, seleccionadas pelas mulheres, integram a exposição que já passou por Bissau, Lisboa e Paraty, no Brasil.

Eu acho que