Exposição

O Museu de Leiria quer os teus objectos antigos de plástico

Brinquedos, artefactos do quotidiano, objectos de devoção, rádios, telefones, talheres, móveis, sapatos ou candeeiros: o Museu de Leiria está à procura dos objectos de plástico

Texto de Lusa • 12/10/2017 - 10:43

Distribuir

Imprimir

//

A A

O Museu de Leiria está a desafiar a população a partilhar os brinquedos ou objectos da sua infância ou dos seus avós, para uma exposição sobre a história dos plásticos.

 

Recordando que a região de Leiria conta com várias indústrias de moldes e de transformação de plástico, "com destaque para algumas das mais antigas de todo o país, desde meados de 1930", o Museu de Leiria refere que os "objectos em plástico, visíveis no quotidiano em grande escala a partir dos anos 40 do século XX, viriam a moldar a percepção da realidade e a fazer parte integrante da vida, fosse nos brinquedos, na construção civil ou na produção de equipamentos médicos".

 

O Museu de Leiria — em associação com o projecto de investigação O Triunfo da Baquelite — Contributos para uma história dos plásticos em Portugal — está a preparar uma exposição sobre a história dos plásticos. "Para que esta exposição seja verdadeiramente representativa da região e para que o Museu cumpra a sua missão mais nobre, que é a de espelhar o sentir da comunidade em que se insere."

 

"Os vossos plásticos podem ser importantes. Partilhe connosco e com Leiria os brinquedos de infância, sua, dos pais e avós, os artefactos do vosso quotidiano, os objectos de devoção, rádios, telefones, talheres, caixas, móveis, sapatos, candeeiros, chávenas. Apelamos à vossa memória e à memória dos vossos familiares. Procurem nos caixotes guardados na cave, nos armários fechados há décadas e nas caixas esquecidas no sótão e cobertas de pó", desafia o Museu.

 

Para os responsáveis, esta é uma forma de "descobrir juntos as raízes do espírito de inovação" e "construir a história da região, que se alicerça principalmente nas histórias de cada um".

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que