Da prateleira dos discos nasceu Life is a Simple Mess

autoria Gonçalo Frota

// data 31/08/2017 - 19:15

// 1344 leituras

O nome Jorge Trindade pouco diz ao meio musical português. Mas Travassos, a alcunha pela qual é conhecido o designer da Clean Feed, editor da Shhpuma, programador do Festival Rescaldo e músico dos grupos Pão e Big Bold Back Bone, esse é um nome familiar na comunidade nacional afecta ao jazz e à música improvisada. Nacional e internacional, na verdade, uma vez que na última década a Clean Feed trepou até ao cimeiro estatuto de editora fundamental do jazz contemporâneo. O que significa que, no seu habitual trabalho de design dos álbuns da casa portuguesa, Travassos emprestou já a sua criatividade a perto de 400 capas de gravações de figuras históricas como Pharoah Sanders, Peter Brötzmann, Evan Parker, Fred Frith, Joe McPhee ou Wadada Leo Smith. A ideia de agrupar num só volume vários dos projectos de ilustração e desenho gráfico que tem vindo a publicar, sobretudo no âmbito das edições da Clean Feed – mas também por encomenda de outras editoras ou nos cartazes do Festival Rescaldo –, surgiu há muito, pela boca de um cliente habitual da loja Trem Azul (empresa irmã da Clean Feed) que lhe repetia amiúde que devia passar a livro todo aquele minucioso trabalho com uma assinatura reconhecidamente pessoal. “A partir daí fiquei a ruminar a ideia, mas quase nunca tenho tempo para me coçar, quanto mais para fazer livros.” Essa ruminação inconclusiva prolongou-se até ao dia em que Marcos Farrajota, da Chili com Carne, abordou Travassos com a proposta concreta de reunir algum do seu material em livro. Perante essa possibilidade real, dedicou-se a fazer uma triagem que respeitasse, antes de mais, “os critérios editoriais da Chili con Carne, uma editora de banda desenhada e de ilustração”. “Tentei reunir essencialmente ilustrações para que houvesse uma coerência entre aquilo que eles editam e aquilo que eu queria mostrar”, esclarece quanto à selecção de imagens. Num segundo momento, o designer organizou as suas escolhas em três grandes blocos: Life is simple (“coisas mais minimais”), Life is a mess (“ideias um pouco mais complexas e com uma maior mistura de elementos”) e Mish-mash (“combinações sem qualquer critério, elementos estranhos que se encontram para tentar construir uma coisa nova”). Nascia assim Life Is a Simple Mess, que chega na companhia de textos do trompetista Nate Wooley, porventura o músico preferido do designer e ilustrador.

Lê o artigo completo no PÚBLICO

Eu acho que