Ilustrar para diluir as fronteiras entre os géneros

autoria Pedro Castro Esteves

// data 25/08/2017 - 18:56

// 3418 leituras

Glitter is love estampado num braço, caras cheias de cor, batom, o flutuante corpo humano apresentado com diferentes mutações, peitos e pernas peludas. Esta é apenas uma amostra do que há para ver na exposição colectiva de ilustração #genderbender, nas duas Ó! Galeria, a do Porto e a de Lisboa. Participam 28 artistas — a maioria portugueses, mas também estrangeiros —, cujas obras reflectem sobre as fronteiras que nos separam uns dos outros, a diversidade e a necessidade de cor num mundo cinzento. Ao P3, a curadadora da galeria, Ema Ribeiro, conta que adoptou este caminho porque reparou que são temas "pouco explorados" pela ilustração. "Há uma falha no mercado artístico" no que diz respeito a assuntos como a identidade de género, diz. A Ó! Galeria costuma trabalhar com perto de 70 artistas e nesta exposição podemos ver o trabalho de 28. Entre eles está Joana Rosa Bragança, com quatro trabalhos em exposição. Citada pela Sábado, a ilustradora conta que as obras “são sobre a liberdade de se poder ser quem se é”. E, como estamos a falar de uma exposição que quer derrubar estereótipos em relação ao género e o que nos diferencia, isso também está espelhado nos trabalhos. A exposição pode ser vista em Lisboa até 5 de Setembro e no Porto até dia 14 do mesmo mês. 

Eu acho que