O amor escrito em neon

autoria P3

// data 31/07/2017 - 14:32

// 6963 leituras

Foi para nos falar de amor que a fotógrafa sul coreana Jung Lee decidiu espalhar letreiros de neon por lugares inusitados e particularmente estéreis; os cenários nevados ou floresta escura contrastam com as mensagens quentes que "traduziu" em neon e que fotografou para o projecto "Aporia", baseado na obra "Fragmentos de um Discurso Amoroso" do semiólogo e filósofo Roland Barthes. "Tentar escrever o amor é confortar-se com o lamaçal da linguagem; com a região de histeria em que a linguagem é, em simultâneo, demasiado e pouco expressiva, excessiva e ao mesmo tempo empobrecida", escreveu Barthes. É sobre esta dicotomia que se debruça o trabalho de Lee; sobre o facto de a linguagem ser uma tradução e redução de uma emoção em palavras e sobre o facto de ser, tantas vezes, hiperbólica e, por isso, "ridícula" — como escreveu Fernando Pessoa sobre as cartas de amor.

Eu acho que