Quando uma casa-galeria invade um hospital ­— e o Porto

autoria Nelson Garrido

// data 13/07/2017 - 11:37

// 1023 leituras

De um apartamento na Cooperativa dos Pedreiros, no Porto, nasceu uma "história de amor". A Galeria Oitavo, obra e graça de Rita Vila-Chã e Francisco Moura Relvas, estendeu-se entretanto até ao Antigo Hospital de Crianças Maria Pia, na Rua da Boavista. Em Dèjá-vu, patente até 15 de Julho, 21 artistas cruzam o passado do palacete principal da ex-unidade de saúde com o actual contexto socioeconómico. Se Ana Aragão e Mariana Sendas replicam salas dentro de salas, ±MAISMENOS± atira-nos para um corredor negro e aramado de onde sobressai a palavra leaving — ou será living? Há os retratos intergeracionais de Rita Castro Neves, o interventivo muro esburacado de Tiago Casanova, a nuvem (de Hiroshima) dos próprios Francisco e Rita (na foto), os murais do Colectivo Rua. E muito mais: estão expostas obras de Júlio Dolbeth & Dylan Silva, Colectivo D-Frente, Joana Fraga, entre outros. É um ponto de viragem, talvez, do conforto do apartamento-galeria para a rua — em Novembro, já se sabe, inaugura uma nova exposição no antigo hospital. Mas sem nunca deixar de voltar a casa. Lê o artigo completo aqui.

Eu acho que