Provérbios Ordinários para criar uma nova moral

autoria P3

// data 22/03/2017 - 19:39

// 16607 leituras

À noite todos os gatos são pardos? Ou quem tem olho é rei? De pequenino se torce o pepino? Ou será... devagar? Na série Provérbios Ordinários há muita sabedoria popular, mas a moral é sempre outra — e é algo malandra. Tudo começou porque Raquel Pais, Maria João Ruivo e Cecília Lage, as fundadoras do estúdio de design Estufa e da marca À Capucha!, estavam "constantemente" a fazer trocadilhos com provérbios. O que talvez não seja por acaso, já que lá no atelier respira-se, e inspira-se, cultura popular. "É um tema recorrente para nós — aliás, a Capucha! é uma expressão disso", explica Raquel, designer de 31 anos. Tanto brincaram com as palavras, tanto combinaram provérbios diferentes, que decidiram tornar público o divertimento. E eis que, enquanto sistematizavam os ditos ditos, aperceberam-se que "os que tinham mais piada eram os que subvertiam a moral do provérbio". Que continuavam a ser ordinários, de corriqueiros e comuns, mas também ordinários, de marotice e indecência, o que na verdade assenta na perfeição nas nove ilustrações elaboradas por Cecília, disponíveis no site do projecto. Agora, a Estufa pede a ajuda do público, que está então convidado a criar um novo Provérbio Ordinário. Nas próximas nove semanas, ou seja até 23 de Maio, o estúdio vai escolher um vencedor da semana, que será depois ilustrado e publicado no site e no Facebook da Estufa. No final, os autores seleccionados recebem ainda uma ilustração em casa. Para criar uma nova moral. 

Eu acho que