Time

Fotojornalista portuguesa entre as 34 mulheres que devemos seguir

Violeta Santos Moura foi escolhida para integrar a lista das 34 mulheres fotógrafas, elaborada pela revista Time, cujo trabalho devemos seguir. O "ponto de vista único" da portuguesa foi destacado

Texto de Lusa • 07/03/2017 - 16:46

Distribuir

Imprimir

//

A A

A jornalista portuguesa Violeta Santos Moura está entre as 34 mulheres fotojornalistas escolhidas por um painel de especialistas entrevistados pela revista Time. São "34 vozes de todo o mundo" que merecem ser ouvidas.

 

No texto introdutório, a directora de fotografia da Time, Kira Pollack, escreve que, enquanto jurada do World Press Photo, ficou chocada ao descobrir que, nos últimos dez anos, o número de mulheres participantes naquele prémio rondava os 15% do total.

 

"A Time abordou as mais aclamadas fotojornalistas, curadoras e directoras de fotografia na indústria, pedindo-lhes que seleccionassem uma fotojornalista que encarassem como merecedora de reconhecimento. O resultado é uma colecção impressionante de trabalhos brilhantes de todo o mundo. Para mim, esta lista inclui fotojornalistas que nunca conheci e que fiquei encantada por encontrar", acrescentou Pollack.

 

Na lista, Violeta Santos Moura, que já trabalhou para a agência Lusa e colaborou com o PÚBLICO — "Olhos em Gaza" —, é descrita pela fotógrafa Tali Mayer como alguém que "captura os ventos silenciosos da mudança na sociedade israelita". "O seu olhar aprofundado sobre estes assuntos já muito abordados revela uma nova perspectiva feminina. O seu ponto de vista único ajuda a elaborar uma variedade de assuntos que levam o observador ao clímax visual das suas imagens", acrescentou Mayer.

 

Nascida em Vila Real, Violeta Santos Moura já trabalhou por Portugal e Espanha, cobrindo ainda o conflito israelo-palestiniano como fotojornalista e correspondente, de acordo com a biografia que partilha no sua página. Já publicou trabalhos na Foreign Affairs, no Haaretz ou no La Vanguardia, entre muitos outros.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que