Orienta-te Redes Sociais

José Ferreira

José Ferreira

José Ferreira

Fotografia

José Ferreira: da lixeira que fotografou em Moçambique para o mundo

Com 25 anos, o fotógrafo José Ferreira teve oito páginas da revista PHOTO dedicadas a "Trash Land", projecto feito numa das maiores lixeiras do mundo, em Moçambique

Texto de Lusa • 01/02/2012 - 13:36

Distribuir

Imprimir

//

A A

O fotógrafo José Ferreira diz que aos 25 anos pode dizer que realizou o sonho profissional: reconhecimento mundial na Internet, oito páginas publicadas numa das revistas mais prestigiadas da área e uma entrevista na cadeia televisiva CNN.

 

A acabar o ano passado, o jovem teve oito páginas dedicadas a si na revista PHOTO, na sequência de um projecto feito numa das maiores lixeiras do mundo, em Moçambique, o “Trash Land” (terra do lixo). A porta de entrada para o reconhecimento do seu trabalho foi na rede social para criativos Behance.

 

“A partir daqui começaram a surgir novos contactos, interessados no meu projecto. Foi também através desse destaque, que a CNN viu o meu trabalho e convidou-me a ser entrevistado”, relata à Lusa.

 

Mas a fotografia chegou à vida do jovem no início de 2007 com a licenciatura em Artes Visuais. Primeiro foi na área de moda. Com o “tempo, experiência e o desenvolver de novos conhecimentos surgiu o interesse pela área do fotojornalismo”.

 

A publicação de um trabalho na PHOTO foi afinal a “realização de um sonho”: “Desde que me iniciei no mundo da fotografia, sigo todas as edições da revista e sempre desejei ver um trabalho meu lá publicado.” Para o futuro, o jovem deseja trabalhar numa agência de fotojornalismo e “construir carreira”. “Quem sabe ser enviado para fora do país e cobrir grandes acontecimentos a nível mundial, como guerras, catástrofes naturais”, adivinha.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Movimento

Movimento cívico português quer pôr um fim à exportação de animais para fora da União Europeia. Avizinha-se uma luta longa e há barcos de papel para ajudar

Entre casais também há violações

Vídeo // A realizadora Chloé Fontaine chamou à curta metragem Je suis ordinaire — o que...