Adriano Miranda
Hugo Araújo e Vera Oliveira têm 22 anos e criaram uma empresa

Empreendedorismo

Eles têm um atelier de design que faz mobiliário ecológico

Têm 22 anos e criaram a própria empresa. A Apicula faz comunicação para marcas, mobiliário e quer fazer roupa. Tudo ecológico. Este mês vão à Clerkenwell Design Week, em Londres

Texto de Mariana Correia Pinto • 14/05/2012 - 10:10

Distribuir

Imprimir

//

A A

Ao passar num contentor do lixo, numa rua do Porto, junto ao local onde trabalham, Vera Oliveira e Hugo Araújo cruzaram-se com uma pilha enorme de madeira. Olharam um para o outro, pegaram na madeira e levaram-na para o atelier. Daquele material nasceu uma mesa de jantar.

 

A Apicula não é feita por respigadores, é um atelier de eco-design que também respiga. Aproveitam as coisas com que se vão cruzando e andam em busca delas: queriam rodas de bicicleta e foram a uma loja perguntar por sobras, queriam resistências de micro-ondas e foram a uma fábrica.

 

Hugo e Vera gostam de design, de materiais, do que é funcional, do que é bonito, do que é sustentável. Do atelier dos dois jovens de 22 anos sai mobiliário com preocupações ambientais. Mas não só. A Apicula faz também comunicação para marcas (ecológica, claro).

 

A dupla conheceu-se na faculdade, no curso de Novas Tecnologias de Comunicação, na Universidade de Aveiro. “Começamos a namorar e a partilhar ideias”, lembra Vera. A ideia inicial (e talvez a final, já lá vamos) era criar uma marca de roupa. Depois pensaram que poderiam investir em mobiliário para lojas. “Depois queríamos fazer tudo”, brinca.

 

Ecologia: o ponto de união

“Com a criação da marca de mobiliário era preciso criar comunicação por trás e uma coisa levou à outra. Surgiu assim o conceito base.” Hugo explica desta forma um conceito que tem a ecologia como ponto de união – a comunicação para as marcas é sempre feita em papel reciclado ou impresso em cortiça, a parte do mobiliário (de autor) é geralmente feita com material reciclado.

 

A comunicação vai dando dinheiro para o mobiliário, que é provavelmente o que dá mais espaço criativo à dupla, que criou a empresa sem recurso a qualquer tipo de empréstimo – “Trabalhamos durante a faculdade para acumular dinheiro”, revela Vera Oliveira.

 

Foi no início do ano que se oficializou a Apicula, nome que em latim significa “abelha” e que foi escolhido a dedo (“É o insecto com menos impacto no meio ambiente, que produz coisas a partir do nada”), e, no fim do mês (22, 23 e 24 de Maio), vão estar na Clerkenwell Design Week, em Londres, ao lado de peças de criadores portugueses como Siza Vieira e Souto Moura.

 

Será, provavelmente, uma oportunidade para começar a “vender em massa”. Para já, os jovens aceitam encomendas (e fazem até personalizações) via Internet. É verdade que "a crise diminui o investimento das empresas no 'marketing e design'", admite Hugo Araújo. Mas isso talvez obrigue a Apicula a seguir um caminho em que o casal gostavam de investir: o do design do produto. Ah, e apostar numa marca de roupa e abrir uma loja também anda na cabeça deles, completam: “É outro sonho... mas para já está no futuro.”

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que