Mensagens nada delicadas com uma pitada de rock'n'roll

autoria Sara Lopes

// data 21/09/2017 - 09:16

// 3910 leituras

João Delicado não escolhe “propriamente o que fazer ou desenhar”. As ideias surgem-lhe na cabeça a um ritmo frenético e a solução é ter sempre post-its por perto “para as apanhar a todas”. Passou pelo curso de Design de Comunicação e foi aí que descobriu o seu caminho, através da influência da professora de desenho. “Sempre estive muito ligado à música e na sequência disso, até por necessidade, comecei a fazer algumas coisas na área”, explicou ao P3 em declarações enviadas através do Instagram, referindo que a ajuda da professora foi essencial na descoberta do estilo em que se sentia mais confortável. “Depois, foi só deixar fluir”, assegura. Com 34 anos, o designer de Portalegre vende os seus trabalhos online, mas esse “nunca foi, nem é, o principal objectivo”, tanto que não comercializa impressões, “só originais”. Tem vendido para o estrangeiro e para Portugal, o que lhe permite investir mais na ilustração. No entanto, os autocolantes são um caso à parte. Não tinha intenção de os vender. Espalhava-os pela cidade, só que eles desapareciam. “A malta começou a dizer que eu os devia vender, então coloquei-os na loja online”, afirma, garantindo que, mesmo assim, vai continuar a deixá-los na rua. Para os levarem "para casa ou para onde quiserem”. Para já, os autocolantes estão por onde ele passou, como o Festival Paredes de Coura, o Bons Sons, em Tomar, e Portalegre, onde vive. “Aí está a piada da coisa. Vou deixando rasto. Qualquer sítio serve. Caixas de electricidade, casas de banho, sinais de trânsito…” O designer, que tem “um emprego cliché de escritório das 8h às 17h”, que lhe ocupa grande parte do dia mas lhe dá muita inspiração, vê na ilustração uma forma de se “exprimir acima de tudo, tal como na música”. Os seus desenhos, sem o intuito de transmitirem uma mensagem específica, são abertas à “interpretação de quem as observa”.

Eu acho que