Dicionário Abrantes em palavras e fotografias

autoria P3

// data 12/07/2017 - 13:53

// 2465 leituras

O desafio era simples: explorar Abrantes, fotografar os seus recantos e, depois, escolher uma única fotografia e associá-la a uma palavra. O projecto chama-se Dicionário Abrantes e foi desenvolvido durante o workshop de Inês Nepomuceno e Moriz Oberberger. A Inês é designer e estudou na Faculdade de Belas Artes do Porto, fez o mestrado na ESAD, onde acabou por ficar, até hoje, a trabalhar. Paralelamente a isso, tem desenvolvido alguns projectos na área cultural, "mais ligados à publicação e à identidade gráfica". Estreou-se, este ano, no 180 Creative Camp: "O workshop que decidi desenvolver prende-se com a ideia de pensar que a disciplina de design gráfico é algo que vai além da relação entre designer e cliente", começou por explicar ao P3. A ideia era que os participantes definissem os seus próprios conteúdos e utilizassem o design como uma ferramenta para "conseguirem comunicar". "Conheci o Moriz em Itália, também durante um workshop, e demo-nos super bem e agora surgiu a oportunidade de tentar criar uma situação longe do trabalho convencional do design em Abrantes". O Dicionário Abrantes convidou todos os participantes do 180 Creative Camp a "seleccionarem uma palavra e, através de uma fotografia, complementar essa palavra", de forma a caracterizar a cidade. O truque era pensar "o que é que alguém, em apenas uma semana, vê aqui?". "Os resultados são surpreendentes", confessa a designer. As fotografias foram imprimidas, em forma de cartaz, e afixadas por Abrantes, "para terem esta presença da marca do Camp". A obra efémera poderá, eventualmente, ser transportada para as páginas de um livro, "queremos que os locais se possam confrontar com as ideias de alguém que vem de fora". E foram tantos os que visitaram Abrantes pela primeira vez - o 180 Creative Camp é um encontro internacional e atrai, cada vez mais, jovens de todos os cantos do mundo. Tal como disse Silvana Frinculescu, uma das participantes, veio da Roménia e foi em Abranyes que percebeu "que todos os jovens são iguais, todos vemos os mesmos filmes e séries, ouvimos as mesmas músicas, temos os mesmos interesses."

Eu acho que