No HeartBIT não existem lugares marcados para trabalhar

autoria LemonWorks

// data 22/05/2017 - 15:21

// 6525 leituras

Há salas sem portas, guitarras à solta, uma consola de jogos. Criada em 2016, a BIT é a área de tecnologias de informação da Sonae (proprietária do Público) para o negócio do retalho. E tudo começa no HeartBIT, no Porto, um espaço aberto de cinco mil metros quadrados repleto de luz natural, em que tudo inspira a que as 500 pessoas da empresa trabalhem juntas. Aqui, não existem lugares marcados para trabalhar — a secretária pode ser em quaquer lado. Há vários espaços abertos e modulares, um auditório com paletes onde se organizam workshops e conferências, puffs que podem acomodar qualquer reunião. Este é o primeiro episódio da segunda temporada da série Living Offices, lançada pela empresa Lemon Works para "mostrar e celebrar escritórios, portugueses, que fazem a diferença na vida das pessoas". Na temporada anterior foram visitadas sete empresas, cujos espaços reflectem, de algum modo, a missão da Lemon Works. Criada no ano passado pelo engenheiro informático Luís Alberto Simões e pela arquitecta Sofia Reis, esta startup portuense ajuda as empresas a encontrar e a criar sítios "bons" para trabalhar (a nível de espaço físico, mas também de cultura e de desenvolvimento pessoas). "Inspire a world where work is meaningful for everyone" é o mote. Ou seja, "inspirar um mundo onde o trabalho é significativo para todos". 

 

Sabe mais sobre o escritório da BIT no site do projecto Living Offices.

Eu acho que