Orienta-te Redes Sociais
“Ruptura Silenciosa” são arquitectos a fazer cinema para mostrar arquitectura

Ruptura Silenciosa

A Piscina das Marés, obra de Siza Vieira, foi o cenário da primeira curta

A Piscina das Marés, obra de Siza Vieira, foi o cenário da primeira curta Ruptura Silenciosa

"A Casa do Lado" é a segunda curta do projecto

"A Casa do Lado" é a segunda curta do projecto Ruptura Silenciosa

Ruptura Silenciosa

Projecto

“Ruptura Silenciosa”: são arquitectos a fazer cinema para mostrar arquitectura

Projecto de investigação quer mostrar obras arquitectónicas através de curtas-metragens. A segunda, ”A Casa do Lado”, estreia hoje, quarta-feira, no cinema Passos Manuel, no Porto

Texto de Mariana Correia Pinto • 14/03/2012 - 10:17

Distribuir

Imprimir

//

A A

Emigração em massa, cenário político agitado, urbanização em curso – tudo isto faz parte do país pré-Revolução de Abril, nos anos 1960-1974. Mas há mais: no cinema e na arquitectura emergem neste período movimentos que alteram o panorama cultural dos últimos cinquenta anos.

 

É desta mudança que se fala em “Ruptura Silenciosa - Intersecções entre a Arquitectura e o Cinema. Portugal 1960-1974", um projecto de investigação que mostra, através de curtas-metragens, obras arquitectónicas relevantes desse período. “Não queríamos fazer documentários, como é habitual quando se filma arquitectura, propusemo-nos a fazer filmes de ficção sobre aquelas obras”, explicou ao P3 Luís Urbano, coordenador do projecto.

 

Ana Resende, bolseira do projecto da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, desenvolve: “A partir do ambiente criado pelo edifício, associado à história e ao que o edifício tem de diferente, criamos uma ficção que não tem propriamente a ver com factos históricos, mas que leva as pessoas a identificarem-se com o espaço”.

 

Objectivo: "Mostrar a arquitectura" 

O fim último, clarifica Luís Urbano, é “mostrar a arquitectura”. E, até ao final do ano, a equipa – que tem como investigador principal Alexandre Alves Costa e junta outras faculdades (não só de arquitectura e não só portuguesas) – pretende fazer mais oito curtas-metragens. Fez até agora duas – “Sizígia” e “A Casa do Lado”.

 

Esta quarta-feira à noite, no Porto (cinema Passos Manuel, 22h e 23h), estreia “A Casa do Lado”, uma curta-metragem sobre a casa de Caminha de Sergio Fernandez. “Antes de a casa der construída era um sítio onde um grupo de pessoas se reunia para actividades políticas mais ou menos clandestinas politicamente”, explica o arquitecto Luís Urbano.

 

“A Casa do Lado” – curta sobre “uma obra muito visitada, que tem marcado sucessivas gerações de arquitectos” - cria uma narrativa à volta da casa como esse “lugar de encontro de pessoas que lutavam contra o antigo regime”.

 

A primeira curta-metragem do projecto, "Sizígia", retratou a incontornável Piscina das Marés, obra de Siza Vieira em Leça da Palmeira. "Queríamos filmar a piscina quando não está aberta ao público. A personagem seria uma pessoa que cuida do edifício e que está nove meses a preparar o espaço para os três meses de Verão", conta Luís Urbano. Quando foram fazer os primeiros testes no local perceberam que essa pessoa existia mesmo - "Havia um senhor, muito zeloso do edifício... mas ele não aceitou ser personagem do filme". 

 

Curtas, mas não só

Os actores das curtas-metragens de "Ruptura Silenciosa" - que no final apresentará um documentário que junta todos os trabalhos - são amadores: professores e alunos da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto ou conhecidos dos responsáveis pelo proecto. A igreja do Sagrado Coração, de Nuno Teotónio Pereira e Nuno Portas, e o mercado de Santa Maria da Feira, de Fernando Távora, são as próximas obras a ser filmadas. Além das curtas, o projecto organiza seminários, workshops e cursos de Verão. 

 

Como é que o cinema entrou na vida destes arquitectos? "Na verdade, com este projecto arriscamo-nos a passar para o outro lado", brinca Luís Urbano. "Mas a nossa formação em cinema é como espectadores", clarifica. "Os arquitectos têm um olhar relativamente treinado. Estamos habituados a desenhar espaços, a antecipar como vai ser um edifício antes de ele existir. Temos alguma capacidade nesse sentido: antecipamos com será o objecto cinematográfico antes de ele existir."

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt
Videoclipe.pt

Audio

Portugal continua "aquém do que poderia ser", como Afonso dizia ao PÚBLICO em 2013?

Entrevista

Fernando Dinis gosta de livros e de "catalogar" o mundo. Não é de estranhar, portanto, que no projecto The Booklovers se dedique a coleccionar escritores...

Girl Power, ferramentas contra o...

Pintura // "Girl Power" é o trabalho da pintora norte americana Kelly Reemtsen. A série,...