João Morgado

Casas XS

Uma parede que atravessa e organiza o espaço

Publicamos, quinzenalmente, às sextas, um projecto de arquitectura e de decoração de interiores com exemplos de como aproveitar da melhor forma o pouco espaço disponível numa habitação. Bem-vindos às Casas XS. Uma curadoria do blogue Alexandra Matos Design

Texto de Alexandra Matos • 29/06/2017 - 11:08

Distribuir

Imprimir

//

A A

Antes da intervenção do atelier FMO Architecture, este espaço era um apartamento de tipologia T1+1, dos anos 30, bastante compartimentado e sem qualquer actualização arquitectónica. Agora é um T1 moderno, amplo e luminoso. Um processo que enfrentou vários obstáculos, como explica o gabinete:

 

“Um dos principais desafios deste projecto foi a adaptação de um espaço exíguo de 45m2 de área útil às condições de habitabilidade contemporâneas, ao mesmo tempo que se pretendia imprimir uma sensação de amplitude espacial. O respeito pela memória do edifício, do tempo e da arquitectura existente foi outro aspecto relevante a ter em consideração. Dado existirem constrangimentos ao nível da estrutura do edifício, foi também necessário eliminar todas as paredes interiores do apartamento, de modo a alterar completamente a compartimentação interna do mesmo. Teve, por isso, de ser feito um reforço estrutural que permitisse manter a estabilidade da estrutura.”

 

Neste apartamento há uma parede que percorre o espaço de uma fachada à outra e que é a base conceptual deste projecto. “Este volume atravessa e organiza as funções de cada espaço, como estante, armário, frigorífico, guarda-roupa ou conector de espaços, ligando-os natural e continuamente. Esta parede é um dos mecanismos que possibilitam uma maior iluminação do espaço, mais amplitude e ligações mais generosas entre eles. É um elemento simples, minimal, mas desenhado com detalhe.”

 

Na prática, a entrada no apartamento faz-se através deste volume branco que organiza e liga todos os espaços. “Esta parede funcional veio ocupar o espaço de um corredor que aqui existia e que fazia a distribuição entre todos os compartimentos do apartamento. Assim, quando agora entramos no apartamento, temos acesso imediato a um espaço amplo e luminoso onde se desenvolvem a área de estar, a área de refeições e a kitchenette. Esta última, à esquerda da entrada, tem uma bancada em L e está instalada atrás de um volume cinzento mais baixo tipo balcão. Esta configuração promove o convívio, pois permite um contacto directo entre quem cozinha e quem está na sala. Em ligação directa com a área de estar, contornando à direita uma das estantes do volume branco, temos um espaço de trabalho, que no futuro se pode transformar num quarto. Também este espaço usufrui do volume branco, com uma estante de apoio virada para ele.

 

Voltando à entrada no apartamento, se nos encaminharmos para a esquerda, imediatamente percebemos a continuidade do espaço dada pelo tecto que percorre todo o apartamento e passa sobre uma grande bandeira de vidro e parede que separa a kitchenette do quarto. Esta parede funciona como um biombo de dois planos, em que um deles é a porta do quarto.

 

Esta sensação de continuidade, quando a porta do quarto está aberta, é ainda mais enfatizada pelo grande espelho vertical que reflecte o volume branco, o pavimento e o tecto, e que está já dentro do quarto, na parede que antigamente seria o topo do corredor. Onde originalmente estava a cozinha, passou a estar o quarto, virado a sul, a partir do qual temos acesso à varanda, com igual exposição solar. Atrás de uma das portas do volume branco esconde-se a casa de banho, também com janela para a mesma varanda e, por isso, igualmente muito luminosa.

 

Todas as áreas deste pequeno apartamento de 45m2 foram pensadas e desenhadas para potenciar a iluminação natural, a sensação de amplitude e a ligação entre espaços. O volume branco, a bandeira de vidro e os materiais usados são as ferramentas que concretizam esses objectivos, num espaço pequeno onde tudo foi pensado ao pormenor.” 

 

O apartamento AB9 é a habitação permanente do cliente, que “por diversas vezes mencionou que o espaço tinha ganho uma nova vida, que parecia ter sido ampliado e que tinha superado as expectativas”.

  

Dicas para espaços pequenos 

Cada espaço é um espaço e, por isso mesmo, a contratação de um arquitecto é sem dúvida uma mais valia em todos os projectos, quer na reabilitação de grandes como de pequenos espaços. Um design depurado, o controlo da escala do espaço e o tratamento cuidado da luz natural podem ser elementos chave para espaços de habitação pequenos.

 

Decoração low cost

Mobiliário antigo recuperado ou algumas peças-chave de qualidade podem facilmente elevar o conforto dos espaços. Caso se opte por uma decoração low cost, deve haver um planeamento cuidado, não caindo na tentação de comprar tudo apenas por ser barato.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que