Prémio Arquitectura do Douro

Centro de Alto Rendimento do Pocinho vence prémio

A Adega Alves de Sousa (Santa Marta de Penaguião), do arquitecto Belém Lima, e o Espaço Miguel Torga (Sabrosa), projectado por Souto Moura, receberam menções honrosas

Texto de Lusa • 21/04/2017 - 12:17

Distribuir

Imprimir

//

A A

O Centro de Alto Rendimento do Pocinho, projectado pelo arquitecto Álvaro Fernandes Andrade e situado no concelho de Vila Nova de Foz Côa, foi o vencedor do Prémio de Arquitectura do Douro. O galardão foi entregue nesta terça-feira, 18 de Abril, pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, durante uma cerimónia realizada em São João de Tarouca, quando se assinala o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

 

A Adega Alves de Sousa (Santa Marta de Penaguião), do arquitecto Belém Lima, e o Espaço Miguel Torga (Sabrosa), projectado pelo arquitecto Souto Moura, receberam menções honrosas. Em entrevista à Lusa em 2015, aquando da atribuição do prémio internacional ECOLA ao Centro de Alto Rendimento, Álvaro Fernandes Andrade lembrou que uma das “dificuldades mais fortes do projecto” se prendeu com o facto de a modalidade ser “dos desportos que tem mais atletas em remo adaptado”, algo que teve de ser tido em conta no processo.

 

Outra dificuldade relacionou-se com as questões do desenvolvimento sustentável, embora sem classificações: “Se há coisas de que não ando à procura é de rótulos para atribuir à arquitectura, interessa-me que estas componentes possam ser integradas no normal desenvolvimento do projecto arquitectónico”.

 

“Há ali aquela procura ambígua e ambivalente de que a estrutura formal parece um socalco, mas mostra que é uma nova forma de habitar o Douro”, referiu ainda o professor da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, sobre o rio ao largo do qual o edifício foi construído. Esta diferente forma de socalco pretende acolher “pés de atletas”, ao contrário dos tradicionais do Douro que servem para plantar "pés de vides", disse o arquitecto.

 

À edição de 2016/2017 do Prémio de Arquitectura do Douro concorreram 20 intervenções, entre adegas, unidades de alojamento turístico, museus e edifícios de serviços. O prémio bienal procura distinguir e promover boas práticas de arquitectura realizadas na região após a inscrição do Alto Douro Vinhateiro na Lista do Património Mundial da UNESCO, a 14 de Dezembro de 2001. Lançado há 10 anos pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, o concurso dirige-se a intervenções de construção, conservação ou reabilitação de edifícios ou conjuntos arquitectónicos, bem como intervenções de desenho urbano em espaço público, feitos depois da classificação. A última edição deste prémio, correspondente aos anos 2013/2014, foi ganha pelo Museu do Côa, dos arquitectos Camilo Rebelo e Tiago Pimentel.

 

Uma mais-valia para Foz Côa

A Câmara de Foz Côa encara com "bastante responsabilidade, naturalidade e exigência" esta distinção. "A partir deste momento, nós sabemos que, para além de termos dois patrimónios da humanidade (Alto Douro Vinhateiro e Gravuras Rupestres), temos também outros prémios que foram distinguidos não só ao nível nacional, como também ao nível do território do Douro", disse aos jornalistas o vice-presidente da autarquia, João Paulo Sousa, depois de ter recebido o galardão das mãos do ministro da Cultura.

 

Inaugurado a 6 de Julho de 2016, o Centro de Alto Rendimento do Pocinho representou um investimento de sete milhões de euros. Segundo João Paulo Sousa, o centro "está a ser visitado por imensa gente, não só por atletas de alta competição", estando a ser feita "uma planificação da sua internacionalização" de forma a atrair mais pessoas ao concelho. Este projecto surgiu "de uma exigência de equipas que já faziam alta competição", concretamente equipas russas que se deslocavam muitas vezes ao concelho.

 

"Diziam-nos que era importante construir um empreendimento, porque aquele espelho de água que estava junto à barragem do Pocinho era um dos melhores para a prática do remo e da canoagem", contou. O autarca referiu que o centro tem três áreas — de treino, de alojamento e de lazer — e "não está única e exclusivamente restrito a toda a prática do desporto". O seu enquadramento na paisagem do Douro foi uma das preocupações: "é um edifício de cor branca e que acompanha os socalcos, precisamente para não criar uma discrepância em termos de impacto ambiental".

 

João Paulo Sousa lembrou que, com a navegabilidade do Douro, que leva muitos barcos a passarem na zona do Pocinho, esta é vista como "mais uma obra emblemática do Douro". Apesar do sucesso deste projecto — que regista maior utilização entre Janeiro e Maio —, o autarca admitiu que há "ainda muito a fazer" para conseguir ultrapassar a interioridade. "É muito mais fácil estar no Porto ou em Lisboa do que estar naquele interior. Mas vamos lutar, não vamos baixar os braços, e eu acho que com estes prémios vamos conseguir pôr Foz Côa mais uma vez no mapa." 

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que