Um museu de Siza para mostrar a “grandeza” de Nadir Afonso

autoria FG+SG - Fernando Guerra

// data 03/07/2016 - 01:48

// 19691 leituras

É um museu que vem mostrar a “grandeza” de “um dos grandes artistas do século XX”, Nadir Afonso. São as palavras que Bernardo Pinto de Almeida, professor catedrático e curador da primeira exposição, usa para apresentar, em declarações à Lusa, o Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, que é esta segunda-feira finalmente inaugurado em Chaves. E, dizemos nós, também é um edifício que afirma a excelência de um dos grandes arquitectos do nosso tempo: Álvaro Siza Vieira. Projectado pelo Pritzker, o museu, cuja construção foi iniciada em 2011, localiza-se na margem direita do Tâmega: o piso teve de ser elevado com uma série de lâminas estruturais perpendiculares ao rio por estar em terreno inundável. Representa um investimento de oito milhões de euros, financiado a 85% por fundos comunitários, e vai ser a casa da Fundação Nadir Afonso. Reúne todo o espólio do pintor flaviense, grande mestre da abstracção geométrica, e dá-o a conhecer como artista e filósofo e, quiçá, arquitecto — Nadir chegou a trabalhar com Le Corbusier e Niemeyer. O edifício inclui auditório, salas de exposições, arquivo, biblioteca, cafetaria, atelier e loja e está pontuado de referências geométricas, as mesmas que tanto inspiraram os quadros do artista. “Nadir Afonso – Chaves para uma Obra” é o título da exposição inaugural que apresenta 35 dos 70 anos de trabalho do pintor. Numa primeira fase da mostra, as telas, pintadas a partir dos seus 15 anos, retratam rostos de familiares e elementos da sua cidade natal. “Depois assistimos ao início da sua carreira como pintor onde mergulha no surrealismo, desenvolvendo obras abstractas ao nível da melhor pintura internacional”, explica o curador, em declarações à agência noticiosa. Daí parte para a abstracção geométrica, depois para o período barroco e egípcio e, por fim, para o “Espacilimité”, momento chave da sua carreira, em que o pintor, descrito como “compulsivo”, introduz elementos cinéticos nos seus trabalhos. O Museu é inaugurado esta segunda-feira, 3 de Julho, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que está por Trás-os-Montes no âmbito da iniciativa “Portugal Próximo”; a abertura ao público é na sexta-feira, dia 8, feriado municipal em Chaves, quando o edifício pode ser visitado gratuitamente entre as 10h e a meia-noite, estando programado ainda um concerto de Tiago Bettencourt às 23h30. Nadir Afonso, que faleceu em 2013 com 93 anos, inspirou um outro espaço expositivo, o Centro de Artes Nadir Afonso, projecto assinado pela arquitecta norte-americana Louise Braverman em colaboração com Paulo Pereira Almeida, que foi inaugurado em 2013 em Boticas, a poucos quilómetros de Chaves.

Eu acho que