Arquitectura

Este prémio foi ganho por quem contou as melhores histórias

Cada um dos cinco vencedores, entre 12 concorrentes, vai receber como prémio 500 euros e verá as suas histórias expostas na galeria da Ordem dos Arquitectos

Texto de Cláudia Fernandes • 29/06/2016 - 15:50

Distribuir

Imprimir

//

A A

Luís Duarte Ferro, Helena Barros Barroco, João Pedro Cano, João Quintela e Simão Silveira Botelhos foram os vencedores do Prémio Arquitectos Agora (PAA), uma iniciativa da Secção Regional Sul da Ordem dos Arquitectos (OASRS), criada com a intenção de divulgar as histórias acerca dos primeiros contactos que cada um deles teve com a profissão.

 

Cada um dos cinco vencedores desta quarta edição, entre 12 concorrentes, vai receber 500 euros em prémio pecuniário e verá as suas histórias expostas na galeria da OASRS e incluídas no respectivo catálogo do PAA.

 

Luís Duarte, numa reflexão considerada pelo júri, composto pelo arquitecto Luís Tavares Pereira e pelo fotógrafo Tiago Casanova e presidido pelo arquitecto Nuno Mateus, como sendo “rica e poética/sedutora”, sublinhou a experiência que advém do estágio, a partir do trabalho de levantamento de um apartamento em Lisboa e a relação “imprescindível” entre medir, observar e desenhar, revela a OASRS em comunicado.

 

Já Helena Barros Barroco foi distinguida pelo registo da sua deslocação para o interior rural e da sua integração no serviço público, em que participou em projectos da câmara municipal. No seu relato, Helena recorreu à experiência concreta para marcar aspectos importantes do seu trabalho, salientando a importância, assim como a ambiguidade, da legislação, e a “memória oral” dos mais experientes. “Todas as obras necessitam da totalidade da nossa atenção”, concluiu.

 

O arquitecto José Pedro Cano destacou a valorização do olhar dos outros, que tem a capacidade de introduzir novas e diferentes leituras, confirmando que a aprendizagem é um processo sem fim. Por sua vez, João Quintela apresentou um registo videográfico do acompanhamento da obra de uma habitação, com relevância para os momentos-chave do processo e da relação entre o desenho e a execução. E, por fim, Simão Botelho misturou a descrição com a reflexão para introduzir apontamentos importantes relativos à experiência da organização de um atelier e da função de um arquitecto estagiário. O júri salientou ainda “o esforço de identificação cuidadosa dos projectos em que colaborou e do contributo específico do estagiário.”

 

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se na quinta-feira, dia 30 de Junho, às 15h30, com lugar na sede da Ordem dos Arquitectos (Travessa do Carvalho, 23, Lisboa). A exposição dos trabalhos dos vencedores estará disponível, e de entrada livre, entre os dias 30 de Junho e 12 de Julho, na galeria.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que