Orienta-te Redes Sociais

Copywriter e autora do blogue "One Woman Show". Quando era pequena pensava que o Hotmail era um site pornográfico.

Excerto

O amor de verdade tem um corpo que demora a arrefecer, às vezes uma vida inteira. E uma vida inteira é muito tempo. E agora, seguem-se os cinco passos do luto, tão estúpidos quanto humanos.

Facebook

Blogue

@Doug888888/Flickr

Crónica

Mataram o amor. Viva o amor!

O luto do amor é uma dor que não tem direito a três dias de dispensa no trabalho. É dor que não merece os "sentimentos" de ninguém, nem palmadas nas costas, nem alteração do estado no BI

Texto de Cátia Domingues • 04/11/2013 - 11:39

Distribuir

Imprimir

//

A A

Se o amor tem um luto, o meu foi ontem a enterrar, e a semana não acabará sem que a missa de sétimo dia aconteça.

 

Na verdade, só o amor sentido é que se veste de negro. É o que se carpe. Amor que é amor é amor fadista de xaile negro pelas costas... é amor que se ama de olhos fechados. É amor em si, em lá e dó.

 

O amor de verdade tem um corpo que demora a arrefecer, às vezes uma vida inteira. E uma vida inteira é muito tempo. E agora, seguem-se os cinco passos do luto, tão estúpidos quanto humanos.

 

1. Negação e isolamento: "Isto não pode estar a acontecer. Não pode."

 

2. Raiva: "É tão injusto. Eu dei tanto. Eu fiz tanto. Eu ainda gosto tanto. Tanto."

 

3. Negociação e diálogo: "Vou tentar ver o lado positivo. E é desta que vou começar a ir religiosamente ao ginásio."

 

4. Depressão: "Não consigo. Estou tão triste. É tão frustrante. Será que alguma vez vai passar?"

 

5. Aceitação: "Vai. Vai passar."

 

É um amor que não recebe visitas, que não se celebra nunca, que não recebe flores, nem para inglês ver, nem sequer em dia de finados.

 

É a dor que não tem direito a três dias de dispensa no trabalho. É dor que não merece os "sentimentos" de ninguém, nem palmadas nas costas, nem alteração do estado no bilhete de identidade. 

 

E porque raio é que isto é menos do que um luto a sério, mesmo quando não é um luto a brincar? Quando se despede de alguém que se ama, iça-se a bandeira a meia-haste e faz-se feriado pessoal.

 

Esta eterna saudade é verdadeira. Mesmo quando se corre o risco de ver o finado numa noite no Cais do Sodré.

 

O verdadeiro amor, raramente falece de morte natural. Geralmente é brutalmente assassinado, digno de capa do "Correio da Manhã". Julgado como crime passional numa trágico-comédia de sala de psicólogo.

 

"É uma pena, ninguém estava à espera. Era um amor tão novo."

 

Queres saber como é que reages ao luto? Lutando.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Feminismo

A igualdade de género nas tarefas domésticas ainda está longe de ser alcançada, mas duas cidades alemãs vão começar um programa de vouchers que promete reforç...

Olhar para o espelho e aceitar a...

Fotografia // A meio das escadas, Julieta observa as suas próteses. Uma doença rara chamada “...