Orienta-te Redes Sociais
Cogumelos estão a ser produzidos num terreno agrícola de dois hectares

Cogumelos estão a ser produzidos num terreno agrícola de dois hectares em Paço de Sousa DR

Solidariedade

Albergues do Porto produzem cogumelos “gourmet” para ajudar sem-abrigo

Associação espera produzir este ano 600 a 800 quilos de cogumelos a partir de troncos de eucalipto. Os "shiitake", oriundos do Japão, têm propriedades medicinais

Texto de Lusa • 12/01/2013 - 17:36

Distribuir

Imprimir

//

A A

A Associação dos Albergues Nocturnos do Porto (AANP) estima produzir em 2013 entre 600 a 800 quilos de cogumelos "gourmet" a partir de troncos de eucalipto cujos lucros serão 100% canalizados para dar comida e dormida aos sem-abrigo da cidade.

 

É num terreno agrícola de dois hectares em Paço de Sousa, a 20 minutos de carro da cidade do Porto, que estão a ser criados, em centenas de troncos de eucalipto, os "shiitake", uma espécie de cogumelos oriunda do Japão, com propriedades medicinais para o tratamento e controle de pressão arterial, redução do nível de colesterol, fortalecimento do sistema imunológico, e inibição do desenvolvimento de tumores, vírus e bactérias.

 

“Promover a sustentabilidade económica da Instituição Particular de Solidariedade Social AANP, criar oportunidades de inserção profissional para pessoas em situação de exclusão e assegurar a sustentabilidade ambiental, por via da estrita observância dos preceitos ecológicos em toda a linha de produção dos cogumelos são os três objectivos primordiais do projecto “Cogumelo Solidário”, explicou à Lusa o director técnico dos Albergues Nocturnos, Miguel Neves.

 

Aumentar a auto-suficiência é imprescindível para a AANP, pois cerca de 40% das verbas necessárias para as despesas da instituição provêm de donativos que começam a escassear em tempos de crise, explica aquele responsável. Os restantes 60% das despesas da AANP são cobertas pela Segurança Social.

 

Produto já tem pretendentes

“Vamos poder vender cogumelos "gourmet" em fresco, secos ou em estado aquoso para as indústrias farmacêutica e de cosmética”, garantiu Miguel Neves, revelando que o produto está já a ser namorado por restaurantes de “alta cozinha” e vegetarianos, ervanárias, grandes superfícies e mercados locais.

 

Os Albergues Nocturnos estão também comprometidos com a sustentabilidade social e o projecto vai criar, inicialmente, cinco postos de trabalho - um permanente e quatro sazonais. José Almeida, 41 anos, um antigo sem-abrigo dos Albergues Nocturnos do Porto, é hoje funcionário daquela instituição de solidariedade, está a ganhar o ordenado mínimo e trata por tu os "shiitake" e as várias fases de produção daquele cogumelo especial, desde a perfuração dos troncos com rebarbadora passando pela colocação de micro-organismos nos furos, até à selagem do composto com parafina.

 

“Garanto-lhe que vou ser o primeiro a experimentar os cogumelos gourmet”, lança José Almeida, sorrindo e acrescentando que é “um bom garfo” e que pretende comer muitos destes fungos, porque acredita no projecto. Na estufa de Paço de Sousa, os "shiitake" vão demorar entre seis a oito meses a serem colonizados e após o período de incubação no tronco é que dão origem ao cogumelo, explicou Miguel Ramos, microbiólogo e especialista na produção de cogumelos.

 

O "shiitake" é tradicionalmente produzido no Japão ao ar livre, mas por questões de optimização também se produz em estufa, com condições e rega mais controladas, levando a maior produtividade e eficiência do processo. “Este cogumelo, originalmente muito comercializado no Japão, tem propriedades gastronómicas e medicinais que podem ser utilizadas contra tumores”, acrescentou o especialista.

 

O “Cogumelo Solidário” tem um investimento inicial superior a 60 mil euros, que conta com apoio financeiro da Fundação EDP, mas também de parceiros como a Universidade Católica, Associação Florestal do Vale do Sousa, Fabricação Serração da Furna, Jardins Silvestres de Viana ou Horta do Marão.

Eu acho que

Pub

P3 now speaks English. See our galleries

Biofabricação

Miguel Castilho desenvolve substitutos de tecidos vivos. Regenerar em vez de substituir é o princípio que orienta o trabalho diário em biofabricação e já valeu...

O azul dos oceanos como nunca o vimos

Vídeo // Diz David Attenborough que o oceano é “o maior habitat da Terra”. A voz do brit...