Siria, a menina que cresce entre dois países

autoria Ana Marques Maia

// data 18/04/2018 - 16:08

// 4743 leituras

Siria tem oito anos e cresce em dois países, a Itália e a Polónia, entre a cidade e o campo, entre a tecnologia e a natureza. A sua mãe, a fotógrafa Kicia Randagia — uma das vencedoras do Zeiss Photography Awards — acredita que o seu modelo educacional terá um impacto futuro positivo na formação de Siria, disse ao P3, em entrevista. “Creio que fará com que cresça com uma mente mais aberta e se torne mais tolerante”, explicou. Kicia cresceu numa aldeia, na Polónia, e é lá que passa pelo menos dois meses por ano. “Gosto que Siria conheça a minha cultura e os lugares onde cresci”, justifica. “Na Polónia, tudo difere da vida cosmopolita, desde a língua à comida, aos costumes, à natureza, etc. Ver a minha filha mudar tão rapidamente e passar de menina da cidade — muito ligada às tecnologias — a menina do campo que gosta de andar descalça e viver entre os animais, que come vegetais crus e comida genuína e que brinca com qualquer coisa que encontra, é incrível. Mas também notei que ela continuava simplesmente a ser feliz assim que regressava a Roma, para a sua vida citadina, mesmo que o seu dia fosse preenchido por actividades completamente diferentes. Assim nasceu a ideia de criar esta série Scelte (palavra que significa 'escolhas').”

 

O projecto, composto por vários dípticos, ilustra os dois lados de Siria nos dois contextos. “Quero mostrar ao mundo como é que as crianças que crescem entre duas culturas vivem e qual é o resultado dessa opção. O que muitos poderão interpretar como sendo uma desvantagem é, na verdade, uma grande oportunidade quando bem aproveitada — trata-se da possiblidade de ver o mundo através de um novo olhar.”

 

Para Kicia, ter ganho o Zeiss Photography Awards foi uma honra. “Afinal, é uma competição extremamente selectiva, quer nos temas abordados quer nos requisitos”, declarou. “Além disso, concorreram dezenas de milhares de fotógrafos profissionais.” Ainda não sente mudanças significativas na sua carreira, mas espera que esta vitória possa traduzir-se “numa mudança e em novas oportunidades”.

Eu acho que