Onde há um adolescente, há sempre um smartphone (ou dois)

autoria P3

// data 02/03/2018 - 17:31

// 5051 leituras

O fotógrafo italiano Antonio Gibotta começou a fotografar para o projecto The New Addiction em 2011, momento em que, para si, se tornou evidente que existia um relacionamento de natureza pouco saudável entre os adolescentes e os seus smartphones. "O número de jovens que utilizam a Internet aumentou, ao longo dos anos", pode ler-se no site do fotógrafo. "As redes sociais são os sítios mais visitados; alguns adolescentes afirmam utilizá-las para se manterem em contacto com amigos distantes, enquanto outros dizem usá-las para criar relacionamentos e fazer novos amigos." Seja qual for o motivo, "de acordo com estudos recentes", os adolescentes passaram, em 2017, "cerca de 40 horas semanais nas redes e a jogar jogos de vídeo". Gibotta considera que a linha que separa a diversão da dependência se esbateu e que, actualmente, muitos adolescentes vêem "a sua performance escolar diminuir", a sua vida social ruir, apresentam sintomas de ansiedade e depressão e transformam-se em vítimas ou perpetuadores de bullying, "além de apresentarem dores corporais relacionadas com a má postura que assumem quando utilizam os telemóveis". Quanto maior a utilização, maior o risco, na opinião do fotógrafo. "Infelizmente, os adultos ainda compreendem mal os possíveis riscos associados a este novo tipo de dependência e assumem uma postura de confiança passiva perante os seus filhos."

 

O projecto The New Addiction venceu o terceiro prémio no concurso Picture of The Year International, em 2015, na categoria Feature Picture Story. Dois anos mais tarde, Antonio Gibotta foi distinguido com um segundo prémio pelo concurso World Press Photo, na cateogoria People, com a cobertura fotográfica de um golpe de Estado encenado em Alicante, Espanha. É possível acompanhar o fotógrafo através da sua conta oficial no Facebook, e no Instagram.

Eu acho que