Neste banco troca-se tempo por tempo há 15 anos

autoria P3

// data 30/11/2017 - 16:49

// 2658 leituras

São 15 retratos pelos 15 anos de Banco de Tempo em Portugal, registados em diferentes centros da associação espalhados por todo o país. “Escutámos 14 mulheres e um homem, pessoas muito diferentes entre si: nas idades, nas suas origens, hábitos, condições de vida, valores, crenças e visões do mundo”, diz a associação, em comunicado. Esta diversidade é a vantagem do Banco em que a unidade de troca é a hora, os voluntários trocam tempo por tempo e cada hora tem o mesmo valor, independentemente da actividade realizada. “É um espaço onde se tecem relações fortes e se cultivam modos “acolhedores” de ser e de estar no mundo, que contrariam a indiferença, entretanto tornada endémica na nossa sociedade”, explicam. “Muitas centenas de pessoas trocaram solidariamente o seu tempo, partilharam e desenvolveram os seus saberes, deram e receberam ajudas, contribuíram e beneficiaram de contextos relacionais igualitários, solidários e humanizantes.”

 

“Mas eu gostava de ver pessoas mais novas a integrarem as agências", diz ao P3 Inês D’Orey, a autora destas fotografias. “Acho que o seu sistema é perfeito para quem está a começar a trabalhar. E as pessoas que fazem parte da organização são pessoas boas e generosas e muito activas. Para mim, foi uma experiência surpreendente e muito positiva conhecer todas elas.”



Eu acho que