Incêndios: salvaram-se as ovelhas. E o queijo da Serra?

autoria P3

// data 14/11/2017 - 19:43

// 3640 leituras

O distrito de Coimbra foi um dos mais afectados pelos incêndios que decorreram em meados de Outubro de 2017. O fogo que deflagrou em Oliveira do Hospital destruiu 43.191 hectares, dos quais 24 mil eram povoamentos florestais, vitimou doze pessoas e, pelo menos, três mil ovelhas e cinco mil aves de capoeira. O desaparecimento das três mil ovelhas terá repercussões futuras, sobretudo ao nível da produção de queijo da Serra da Estrela com certificação DOP (Denominação de Origem Protegida), um dos produtos mais característicos da região. O fotógrafo Tiago Cerveira, natural de Travanca de Lagos, uma das aldeias do concelho, viveu a tragédia e partilhou com o P3 a foto-reportagem Ardeu-me quase tudo. Até a memória. Salvaram-se os animais. Nela, foca-se na sobrevivência dos animais da família Figueiredo, que se dedica, há quatro gerações, ao cultivo da terra e à criação de animais.

 

No dia 15 de Outubro, o fogo fez desaparecer a casa da Quinta da Coitena e o cultivo de subsistência dos Figueiredo. "Nos primeiros raios de sol do dia que se seguiu ao incêndio, Filipe e Tó [os membros mais jovens da família], ao regressarem à quinta, ouviram o latido do fiel companheiro, o cão Fadista, encontraram com vida a mula Carriça e o rebanho de ovelhas bordaleiras serra da Estrela." A sobrevivência dos animais "foi uma lufada de ar fresco no meio de tamanha tragédia", referiu o fotógrafo ao P3. E, por isso, centrou neles o seu trabalho. "O meu destaque foi para os animais porque, além das perdas humana, paisagística, económica e social, está em risco o nosso ex-líbris, o queijo serra da Estrela DOP, o verdadeiro, não o que é produzido pelas grandes indústrias", explica. E está em perigo porque "arderam os pastos e o cardo [planta de coagulação do leite]", mas "acima de tudo grande parte do efectivo de ovelha bordaleira serra da Estrela", animal "genuíno e endógeno que alimenta e caracteriza esta região há séculos".

 

O fotógrafo garante que existe, no presente, uma "mega corrente de solidariedade canalizada para Oliveira do Hospital" que não tem deixado nenhuma pessoa, nem nenhum animal, passar fome; ainda assim, o cenário mantém-se "negro". "Além das vidas humanas a lamentar, perdemos centenas de habitações; perdemos empresas e consequentemente várias centenas de postos de trabalho; perdemos as nossas ímpares paisagens; perdemos o nosso ânimo." Os Figueiredo preencheram todos os documentos necessários para terem direito ao apoio disponibilizado pelo Governo. "Os avós do Filipe, que viviam na casa ardida, estão alojados em casa do filho Tó, mas a família e amigos já estão a reconstruir uma outra habitação, junto à ardida, para eles voltarem a ter o seu cantinho", conta Tiago. Quanto às ovelhas, continuam de boa saúde e irão contribuir, como faziam todos os anos, com leite para a produção de queijo da Serra.

 

Texto actualizado às 15h16 de 15 Novembro 2017.

Eu acho que