Porto

Na Casa Soleiro, os turistas também tentam salvar o que o turismo condenou

Loja com 80 anos recebeu ordem de despejo. Mas resiste ao fecho com uma petição que também os turistas estão a assinar. Classificação do programa Porto de Tradição ainda a pode salvar

Texto de Mariana Correia Pinto • 12/09/2017 - 18:27

Distribuir

Imprimir

//

A A

Não há souvenirs à moda do Porto para turista comprar, nem glamour de uma cidade em pose para a fotografia. Mas os turistas parecem não se ralar. Entram na Casa Soleiro encantados com uma espécie de viagem no tempo para lá dos dois sapatos de madeira gigantes pendurados nas portas de entrada, números 104 e 106 da Rua Chã, na Sé. Por isso, quando há coisa de um mês e meio Emílio Silva comunicou o possível fecho da loja, a contas com uma ordem de despejo, as páginas de uma petição que afixou nas paredes — também escrita em inglês e francês, para turista ver — encheram-se rapidamente.

 

Emílio Silva, o neto do fundador e agora proprietário do espaço, nem precisava de pedir. "As pessoas entravam, liam e ficavam muito espantadas e revoltadas", conta ao P3. Há assinaturas de geografias várias na petição: Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Polónia, Brasil. Quando lhe perguntam o que se está a passar, Emílio Silva improvisa as respostas no seu melhor inglês ou francês. "A especulação imobiliária, promovida pelo turismo, está a expulsar-nos daqui."

 

O portuense não se deixa enredar em discursos militantes contra o turismo. Pelo contrário. Gosta de sublinhar a importância dos turistas para o seu negócio de solas e cabedais. São muitos os que ali entram. Às vezes só por curiosidade, para fotografar. "Dizem que nos países deles já não se vêem lojas destas." Outros para comprar, sobretudo cintos — daqueles que duram uma vida. "Tenho material que dura 40 anos, é de uma qualidade que já não se vê." O problema, diz, é o turismo estrangular negócios e pessoas que sempre ali estiveram. "Estão a dar um tiro no próprio pé. Quantas lojas e pessoas vão restar? Aqui na rua já somos muito poucos", conta em tom de lamento.

 

A ordem de despejo chegou à Casa Soleiro há cerca de meio ano. Veio numa carta registada — com aviso de recepção, mas sem avisos prévios. Emílio ficou arrasado. Esteve duas noites seguidas sem dormir, ainda tem o sono agitado de quem conta com um ponto de interrogação no lugar do futuro. Os últimos meses têm sido desgastantes. Cartas para a câmara, para a junta, para a associação de comerciantes. Reuniões. Advogados. E o prazo de saída imposto pelo senhorio — início de Outubro — a morder os calcanhares.

 

Decisão final na próxima semana

A Casa Soleiro fez parte da lista inicial do Porto de Tradição, um programa da responsabilidade de várias entidades sob a direcção do pelouro do Comércio e Turismo da Câmara Municipal do Porto, que foi criado para salvaguardar algumas lojas históricas da cidade. Mas depois da visita de um grupo de trabalho, a loja criada em 1947 e identificada inicialmente como um dos 81 estabelecimentos comerciais e entidades sem fins lucrativos que poderiam ser classificados, acabou por ficar fora do projecto. Justificação? Não ter obtido “a valoração mínima para integrar a lista de estabelecimentos que o Grupo de Trabalho propôs à CMP para reconhecimento”, explicou o vereador Manuel Aranha, acrescentando que tal se deveu “ ao facto de não ter apresentado evidências relativas a alguns elementos”.

 

Mas o processo não está fechado. Depois de uma exposição feita pela Casa Soleiro e de novas provas apresentadas, a loja obteve “uma valoração que permitirá ser proposta para reconhecimento”. Não está garantido que será classificada, mas a possibilidade de ser é agora maior. A decisão final acontece na próxima reunião do executivo, na terça-feira, dia 19.

 

Emílio Silva chegou à loja do avô ainda menino de 14 anos, a fugir da escola que não o conquistava. Admite que não agarrou o negócio por paixão, porque ser comerciante é ofício para dar “muitas dores de cabeça, às voltas com as burocracias”. Mas aos 60 anos de vida, e mais de 40 de loja, habituou-se àquilo. E ainda que não tenha descendentes directos, a continuidade está a ser pensada com os funcionários da casa. “Quero dar continuidade a esta herança.”

 

Luís Buchinho também está de saída da baixa...

Os caixotes vão ocupando espaço no interior da loja, a confirmar uma mudança  anunciada na montra em registo cru: “Novas instalações”. Hoje, o atelier e loja do estilista Luís Buchinho, o primeiro de renome a mudar-se para a Baixa do Porto, há uma década, já não fica no número 157 da Rua José Falcão. A intenção de venda do prédio tinha sido anunciada há meses e não apanhou o estilista desprevenido. Buchinho não sabe para que fim será utilizado o prédio. Mas conhece bem a “histeria generalizada” que se tem espalhado na cidade nos últimos anos, uma “ambição desmesurada” que pode “fazer o carisma [do Porto] desaparecer”. É preciso um meio termo, pede: “A cidade não está morta, como estava, e isso agrada-me. Mas esta situação também não é boa.” Até ao final do mês, vai abrir novo espaço na Rua Sá da Bandeira: “Não tenho assim tanta pena de sair porque esta zona está, de facto, selvagem.”

 

Também na José Falcão, a concept store Good Vibes já prepara a saída, depois de seis anos naquela rua — e 18 no centro do Porto. O contrato de arrendamento termina no fim do próximo ano e o senhorio já anunciou que não o quer renovar. Ivo Ferreira e Sousa, designer da marca e proprietário, atira as culpas para a “bolha imobiliária” em que o Porto vive. O proprietário não tem a certeza do que poderá li nascer: talvez mais um hotel, um restaurante? O certo é que contra esse poder económico nada pode fazer: “As lojas e restaurantes não aguentam, as rendas são excessivas”, protesta, dando um exemplo do que se passa numa zona próxima: “Nos Loios, há uma loja de 100 m2 a ser arrendada por cinco mil euros. É incomportável.” Ivo Ferreira e Sousa ainda não desistiu da baixa, mas admite que é um “caminho complicado”. “Queremos estar no Porto, vamos ver se conseguimos.”

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que