Millennials: uma geração sem ar (e sem futuro)?

autoria P3

// data 22/06/2017 - 10:38

// 10051 leituras

"A geração retratada na minha série fotográfica ["Come Hell or High Water"] é a dos jovens que atingiram a idade adulta no momento da viragem de século, os chamados millennials. É um grupo de indivíduos que acho fascinante e intrigante. Estes jovens são encorajados a 'seguir os seus sonhos', mas são confrontados com uma enorme quantidade de desafios no que concerne o emprego, a habitação, entre outros. As redes sociais fomentaram o seu sentido de identidade, motivo por que são acusados de serem narcisistas e de acharem que o mundo lhes deve algo. Habituados a obter resultados imediatos, são também censurados por serem demasiado impacientes. Apesar de terem um nível de formação igual ou superior à da geração predecessora, [os millennials] são a primeira a ser financeiramente menos bem-sucedida. Ter um elevado grau de escolaridade deixou de ser suficiente para triunfar, motivo por que são forçados a serem multifacetados e polivalentes. Apesar de terem acesso à internet e a todos os outros meios de comunicação que surgiram, têm efectivamente menos oportunidades. Basta olhar para todos os que são sobrequalificados e que estão integrados no mercado laboral actualmente. Tantas vezes mais informada que as gerações anteriores, esta tende a estar mais alerta e a ser mais curiosa. Por terem crescido durante um período de revolução tecnológica — em que surgiram novos dispositivos electrónicos e novas formas de comunicação virtual — os millennials rapidamente compreendem novos interfaces, linguagens visuais, programas e aparelhos. São muito tolerantes perante a diferença e isso era algo que queria enfatizar nesta série. Para o efeito, escolhi um leque enorme de pessoas que revelaram uma ampla panóplia de emoções. Captar o momento em que emergem de baixo de água acentua a sua expressividade... como um bebé que respira pela primeira vez. Estes jovens sentem-se asfixiados e estão sedentos de ar... e de vida." Depoimento de Coco Amardeil recolhido por Ana Marques Maia

Eu acho que