Adriano Miranda

Porto

Há uma nova casa para estudantes na Galeria de Paris

São 40 camas prontas a receber estudantes no coração da cidade. O edifício reabilitado pela Santa Casa da Misericórdia abre a 1 de Junho

Texto de Beatriz Silva Pinto • 16/05/2017 - 10:14

Distribuir

Imprimir

//

A A

O nº 114 da rua da Galeria de Paris foi reabilitado pela Santa Casa da Misericórdia do Porto e, a partir do mês de Junho, começa a receber estudantes.

 

O novo espaço de acolhimento, baptizado de The Gallery House Residências, é vocacionado para estudantes universitários, estudantes Erasmus e para jovens que vêm trabalhar para o Porto e que, durante dois ou três anos, precisem de ter o seu próprio quarto, explicou ao P3 António Tavares, provedor da Misericórdia do Porto.

 

Trata-se de um edifício de cinco andares, com o primeiro a incluir uma área de refeições e equipada com micro-ondas, frigorífico e fogão. Os 20 quartos duplos, distribuídos por quatro andares, têm casa de banho privativa, roupeiro, aquecimento regulado individualmente e área de estudo.

 

Vida para além do turismo

Quanto ao preço dos quartos, o provedor não adianta muito, mas assegura que serão valor “mais aceitáveis” do que aqueles que se praticam no mercado.

 

A residência só abre a 1 de Junho, mas as candidaturas já estão abertas. Este é um dos 40 imóveis que, até 2020, vão ser reabilitados pela Santa Casa da Misericórdia do Porto, num plano que atinge os 10 milhões de euros. Ainda este ano, edifícios na Rua Chã e na Rua de Trás vão estar prontos a ser habitados.

 

O objectivo final do projecto é “colmatar as falhas do mercado, que tem estado muito vocacionado para o alojamento local e a hotelaria”, explica o provedor. “Queremos responder a públicos que foram esquecidos pelo mercado”, adianta António Tavares. E que públicos são estes? Estudantes, estudantes Erasmus, jovens casais que estão a iniciar a vida profissional, população sénior com problemas de mobilidade e todos aqueles que tenham de vir para o Porto, com permanência reduzida.

 

O provedor garante, ainda, que nenhum destes edifícios será direccionado para o turismo: “Existe vida no Porto para além dos turistas”.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que