Stokpic/Pexels

Crónica

Qual é a diferença entre uma violação e sexo assim-assim?

O sexo assim-assim de que falo é aquele que depois de acabar, no mínimo, nos deixa a pensar: "Não sei se queria ter feito isto". É aquele do aniversário do teu marido, porque lhe tinhas prometido um mimo, é aquele que até foste tu que iniciaste mas acabou desconfortável

Texto de Maria Pessoa • 14/05/2017 - 09:48

Maria Pessoa é quase licenciada com ambições baralhadas, futura dona de casa e mãe de cinco

Distribuir

Imprimir

//

A A

A diferença é muito pouca e muitas vezes nenhuma.

 

Permitam-me excluir do discurso as violações com violência visível — aquelas em que o agressor salta de trás de um arbusto com as calças na mão, aquelas em que a vítima gritou e veio a polícia, aquelas em que a vítima ficou com mazelas físicas —, aquelas em que ambos a vítima e o agressor saem da situação com a consciência de que houve uma agressão sexual. Excluo estas situações por assumir que ninguém tem dúvida de que a isto se chama uma violação — de que há claramente uma vítima e um agressor, que acarreta toda a responsabilidade. Se algum destes exemplos te deixa esta dúvida, talvez este texto não te agrade e pode ser urgente que o leias. Sem fazermos classificações ou avaliações sobre a gravidade, veracidade ou legitimidade de qualquer tipo de agressão sexual, dêem-me a liberdade para clarificar todas as outras situações em que pode haver dúvida.

 

Sem medo de te ofender a ti, homem leitor heterossexual, vou assumir que o agressor és tu, só porque estatisticamente geralmente és. Com algum medo de te confrontar com algo que não queres, amiga leitora mulher, vou assumir que somos nós a vítima, porque estatisticamente geralmente somos e porque posso aproveitar para dar voz e creditar todas as que vêem diariamente as suas acusações silenciadas e ignoradas.

 

E para estarmos todos a falar do mesmo, sexo assim-assim não é aquele em que alguém não atinge o clímax, ou aquele em que alguém não sabe muito bem o que está a fazer e há saliva a mais ou estimulação demasiado prolongada dos lóbulos das orelhas, ou aquele em que não se tira as meias e se deixa a televisão ligada; se bem que pode incluir tudo isto.

 

O sexo assim-assim de que falo é aquele que depois de acabar, no mínimo, nos deixa a pensar: "Não sei se queria ter feito isto". É aquele do aniversário do teu marido, porque já lhe tinhas prometido um mimo, é aquele com o rapaz da internet, porque até era giro e trouxe uma garrafa de vinho, é aquele que até foste tu que iniciaste mas acabou desconfortável, é aquele com o amigo tão querido que está um pouco triste porque ele é mesmo boa pessoa e não querias rejeitá-lo.

 

Se começares a pensar, não querias mesmo esse sexo assim-assim. Mas fizeste-o porque foste coagida até não saberes mais palavras para exprimir o teu não, porque ele continuou a encher o copo de vinho sem te perguntar, porque não tens os mecanismos biológicos para te protegeres de uma agressão que vem de alguém que amas ou que tem um sorriso simpático, porque sentes que lhe deves alguma coisa.

 

Por muitas razões tiveste sexo destes assim-assim e achas que não és uma vítima ou não queres ser, mas de alguma forma sentes que a tua liberdade e o teu corpo foram violados. Não quero vitimizar ninguém nem incutir responsabilidade sobre uma possível denúncia. Cada um deve gerir e lidar com a sua experiência como quiser e espero que tenham todos os meios e apoio para o fazerem da melhor forma.

 

Mas querido leitor, que quer fazer do Mundo um lugar melhor, pensa por favor na tua última experiência sexual. Ambas as partes estavam entusiasmadas e participativas durante toda a interacção? Alguém teve de ser convencido ou foi omitida algum tipo de informação relevante? Todas as pessoas envolvidas estavam fisicamente capazes de consentir? Uma relação sexual sem consentimento entusiástico de todas as partes envolvidas é um abuso sexual, é uma violação. Façamos amor apenas com quem o quer loucamente fazer connosco também.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que