Pixabay

Crónica

Os médicos são umas bestas

Num pais onde a mediocridade é aplaudida e a falta de excelência cobiçada, ser médico é uma bestialidade

Texto de Raquel Correia • 11/05/2017 - 16:58

Raquel Correia é médica, copywriter, intrinsecamente curiosa e quase sempre sarcástica.

Distribuir

Imprimir

//

A A

Os mandriões dos médicos são umas bestas. Não passam de uma classe privilegiada e sem escrúpulos. Vejamos: primeiro, aventuram-se num curso de seis anos — cambada de sádicos, que só querem gastar dinheiro aos pais e fingir que queimam pestanas; depois, como se acham mais que os outros, fazem outros quatro no mínimo para serem especialistas.

 

Essa classe da treta, nascida em berço de ouro, em vez de ser imparcial e isenta, manifesta-se. Onde está o calar e comer tão típico do português? Mania que são mais que os outros. Mania de estudar mais anos, trabalhar mais horas, ganhar mais, deixar tudo para mais tarde — amizades, amores, filhos, férias — quando houver tempo.

 

Abala-me esta elite de meia tigela, que anda a fazer greve. Greve é coisa de gente mal resolvida, descontente e sindicalista. Toda a gente sabe que os médicos são milionários — afinal 1300 euros por mês é superior a mil — e que têm condições de vida superiores aos restantes mortais.

 

A maior parte dos meus amigos, esses prevaricadores, têm 30 anos e moram com os pais ou dividem casa com amigos. Bando de chupistas! A viverem esse sonho que é ser trintão e não poder ter casa própria. A maior parte conduz carros com matrícula antiga ou partilha os transportes públicos com a fina flor do entulho. Cambada! É só para se exibirem, esses senhores doutores, e mostrar o telemóvel topo de gama.

 

Não pode ser! Tem que se pôr travão nestes gajos. É ensiná-los que ser médico não é uma profissão e sim um estilo de vida. Fazê-los perceber que a opinião pública ouve na diagonal. Independentemente do bom trabalho que fazem quotidianamente. Façam-nos ver que isso de estar sempre disponível, dia e noite, feriado ou férias, e de trazer trabalho para casa é coisa expectável.

 

Há que dizer a esses lacaios gananciosos que é uma sacanice não querer fazer bancos e horas extra de graça — qualquer pessoa neste país o faria! E mais, é pôr tudo em pratos limpos e deixar claro que se andam cansados podem usufruir dos 21 dias úteis de férias por ano. Folgados!

 

A responsabilidade (e o privilégio) de cuidar daqueles que amamos é vossa, seus preguiçosos. Ninguém tem culpa e muito menos pena que vocês sejam os últimos a casar, aqueles que mais se divorciam e os que nunca conseguem ir buscar os filhos à escola.

 

Ninguém quer saber se vocês passam mais tempo com a família dos outros do que com a vossa, e se sonham com casos clínicos. O que é que interessa se a vossa luta é por melhores condições de trabalho? Nunca vos ensinaram que a necessidade aguça o engenho? O Serviço Nacional de Saúde quer-se pobre e sem condições para podermos promover médicos mais criativos!

 

Realmente, nós médicos somos umas bestas. Qualquer pessoa com juízo não se metia nisto. Os que se metem, bestas ou bestiais, têm de aprender a lidar com a ingratidão e ignorância dos outros. Seremos para sempre uma classe privilegiada. Abdicamos de tanto, todos os dias, para poder ajudar aqueles que nos criticam e ainda temos prazer nisso.

 

Que bando de sádicos, ressabiados e manhosos. E que orgulho em fazer parte desta classe de bestas!

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que