freestocks/Unsplash

Crónica

Bicycle Day: 74 anos depois do LSD

De uma substância relativamente segura produzida em condições reguladas, passamos para uma produção criminosa, com todos os riscos e incertezas que o mercado negro acarreta

Texto de Joana Pereira • 19/04/2017 - 14:23

Joana Pereira, técnica do CHECK!N

Distribuir

Imprimir

//

A A

A 19 de Abril de 1943, o químico suíço Albert Hofmann (1906-2008) experimentava pela primeira vez, de forma intencional, uma substância que sintetizara uns tempos antes enquanto trabalhava nos laboratórios da farmacêutica Sandoz. A sua viagem de bicicleta no regresso a casa naquele dia, quando sentiu que era melhor interromper o trabalho devido aos estranhos efeitos que sentia, ficou na história como um dos símbolos do LSD. O Dia Mundial da Bicicleta, ou Bicycle Day, foi originalmente assinalado em 1985 por Thomas B. Roberts, professor e investigador na área da Psicologia e de Estudos Psicadélicos na Northern Illinois University, em homenagem a A. Hoffman e à viagem de bicicleta que mudou o mundo.

 

A dietelamida do ácido lisérgico, LSD ou ácido, como ficou conhecido posteriormente nas ruas, rapidamente passou para os consultórios dos psiquiatras e psicoterapeutas que lhe reconheciam potencialidades várias em contexto terapêutico — de facilitador do acesso a material reprimido em psicoterapia a uma oportunidade dos terapeutas experimentarem o mundo vivido por pacientes psicóticos. Da utilização em ambientes controlados fez-se a passagem para as ruas e a substância acabou por se tornar um dos símbolos da contracultura contestatária dos anos 60 do século XX. A utilização do LSD, quer por elementos do movimento pacifista pelo Vietname quer pelas agências de inteligência e militares, que a investigavam como possível arma de guerra, é apenas um dos muitos paradoxos que a história lisérgica revela.

 

No final dos anos 60, o alarme social foi combustível para a proibição. Proibição essa que não se limitava ao uso recreativo mas a todo e qualquer uso. A substância foi declarada sem interesse científico, apesar dos promissores resultados de milhares de investigações. Os laboratórios foram encerrados, os resultados fechados em caixas, as terapias e investigações em curso subitamente interrompidas: o LSD não tinha mais lugar à mesa da produção ou, sequer, do discurso científicos. Deu-se aquilo a que David Nutt, professor no Imperial College em Londres e ex-conselheiro governamental na área das drogas, chama o pior caso de censura científica desde que a Igreja Católica proibiu as obras de Copérnico e Galileu.

 

Durante cerca de 30 anos, os entraves à investigação com LSD e outros psicadélicos fizeram com que a substância à qual outrora fora concedida tanta atenção fosse como que esquecida pela ciência convencional. Nos últimos anos, e apesar dos enormes obstáculos, temos assistido àquilo a que alguns chamam de Renascimento Psicadélico, fruto de um movimento que advoga um novo olhar, com uma abordagem imparcial e objectiva, como deve ser a da ciência. Em 2016 foi publicado o primeiro estudo com imagens do cérebro sob o efeito de LSD, esforço conjunto da Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies (MAPS), da Beckeley Foundation e do Imperial College London. Timidamente, têm surgido trabalhos de investigação sobre o papel dos psicadélicos enquanto coadjuvantes na terapia para stress pós-traumático, nos comportamentos aditivos, na ansiedade em doentes terminais e noutras condições para as quais a medicina actual tem respostas limitadas ou insuficientes.

 

Muitos movimentos pró legalização têm-se focado nestes estudos e no potencial terapêutico destas substâncias. Outros, bem sucedidos em alguns países, invocam a liberdade religiosa para suspender a proibição. Há ainda outra abordagem que se foca nos direitos humanos, nomeadamente no artigo 9.º da Convenção Europeia dos Direitos Humanos que declara liberdade de pensamento. Os movimentos pela liberdade cognitiva argumentam que o pensamento engloba não só os conteúdos mas, também, os processos envolvidos e que ao proibir substâncias como o LSD, que permitem o acesso a diferentes estados mentais e processos cognitivos, estamos em claro desrespeito deste direito.

 

Independentemente de todas estas questões e abordagens, facto é que o LSD nunca desapareceu nem deixou de ser usado: do divã para as ruas, da Universidade de Harvard para Woodstock, das raves para Silicon Valley. A diferença é que, de uma substância relativamente segura produzida em condições reguladas, passamos para uma produção criminosa, com todos os riscos e incertezas que o mercado negro acarreta. Têm surgido cada vez mais casos de substâncias vendidas como LSD que, na verdade, são outras substâncias psicoactivas que colocam em risco a saúde e a vida dos utilizadores.

 

74 anos passados desde a primeira vez que alguém sentiu os seus efeitos, o LSD continua a ser uma das mais controversas substâncias produzidas pela humanidade e as suas influências são visíveis num amplo espectro do nosso legado, das artes à ciência, da religião e espiritualidade à política. Ainda pensa que o Dia Mundial da Bicicleta tem apenas a ver com este veículo? 

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que