Viver

Qualidade de vida: Lisboa supera Nova Iorque num ranking liderado pela Europa

Logo a seguir a Lisboa, que ocupa o 43.º lugar, estão as cidades de Nova Iorque e Edimburgo. Viena volta a liderar ranking que avaliou a qualidade de vida em 231 cidades

Texto de Margarida David Cardoso • 14/03/2017 - 11:21

Distribuir

Imprimir

//

A A

As cidades europeias continuam a liderar a lista de cidades com melhor qualidade de vida. Segundo o estudo da consultora Mercer divulgado esta terça-feira, há oito europeias entre as dez cidades com melhor qualidade de vida. Lisboa está um lugar abaixo do ano passado, ocupando actualmente o 43º lugar num ranking que considerou 231 cidades.

 

Pelo oitavo ano consecutivo, Viena ocupa o primeiro lugar. No ranking Quality of Living, realizado todos os anos pela consultora, seguem-se as cidades europeias de Zurique (2.º lugar), Munique (4.º lugar), Dusseldorf (6.º lugar), Frankfurt (7.º lugar), Genebra (8.º lugar), Copenhaga (9.º lugar), e Basileia (10.º lugar). Neste top 10, fora do Velho Continente, surgem apenas as cidades de Auckland (3.º lugar), na Nova Zelândia, e Vancouver (5.º lugar), no Canadá.

 

Logo a seguir a Lisboa estão as cidades de Nova Iorque e Edimburgo. Não são conhecidas as razões que levaram a capital portuguesa a descer um lugar no ranking, que analisou os meses de Setembro a Novembro de 2016. Sabe-se apenas que a análise teve em conta mais de trinta critérios, divididos em dez categorias: ambiente social e político, política económica e serviços bancários, condições socioculturais, factores médicos e sanitários, educação, serviços públicos e transportes, acesso a entretenimento, bens de consumo e habitação e, por último, factores naturais como o clima e o registo de desastres naturais.

 

As primeiras cidades asiáticas e latino-americanas a aparecer são Singapura (25.º lugar) e Montevidéu (79.º lugar), respectivamente.

 

Ao nível das infra-estruturas, Lisboa surge em 60.º lugar, acima de cidades como Lyon (67.º) ou Roma (73.º). O acesso à rede de transportes, serviços de energia e existência de água potável são factores avaliados nesta categoria. “As cidades mais bem classificadas oferecem uma combinação dos melhores aeroportos locais e internacionais, de uma rede de transportes locais variada e de grande cobertura, e de soluções inovadoras como tecnologias inteligentes e opções de energia alternativa”, completou Tiago Borges, responsável da área de Carreira na Mercer Portugal.

 

Num índice liderado pela Singapura, são novamente as cidades da Europa Ocidental que ocupam as posições cimeiras em matéria de infra-estruturas. Frankfurt e Munique asseguram a 2.ª posição do ranking mundial. Segue-se Copenhaga (4.º lugar), Dusseldorf (5.º lugar) e Londres (6.º lugar), Hamburgo e Zurique aparecem ambos na 9.ª posição. As cidades europeias com a classificação mais baixa neste ranking são Sarajevo (171.º lugar) e Tirana (188.º lugar). Bagdad e Port au Prince ocupam os últimos lugares a nível mundial.

 

Neste que é o 19.º estudo da consultadora sobre o assunto, repete-se a tendência: as cidades europeias mantêm-se “como destino atractivo para empresas em expansão e para o acolhimento de pessoas em missões internacionais”, lê-se no resumo enviado às redacções. Este ranking é feito a pensar nas empresas e organizações multinacionais que querem enviar trabalhadores para o estrangeiro.

Voltar ao topo

|

Corrige
Eu acho que