Orienta-te Redes Sociais

(DES)Igualdade: um projecto a favor da igualdade

autoria Inês Costa Monteiro & Daniela Beiçudo

// data 20/10/2015 - 13:32

// 14461 leituras

Inês Costa, estudante de jornalismo, e Daniela Beiçudo, designer gráfica (de 20 e 22 anos, respectivamente), conheceram-se em Lisboa durante os seus percursos académicos. A Inês é do Norte, a Daniela do Alentejo. A inês é loira, e a Daniela morena. A inês é calma, a Daniela nem por isso. Estas são algumas das diferenças entre estas duas jovens artistas que criaram o projeto (Des)igualdade com o intuito de quebrar estereótipos sociais. Mais algumas diferenças entre elas são a área de formação académica, as cores do cabelo, a naturalidade, o temperamento. Uma tem um gato preto, outra tem um gato branco. Quanto às semelhanças, ambas são jovens, mulheres e com uma orientação sexual bem definida. O que mais têm em comum? O facto de serem um casal. Do projecto (Des)Igualdade, que promove a igualdade de género entre casais do mesmo sexo fazem parte três ensaios fotográficos realizados pelas artistas: “(Des)Igualdade”; “Turistas por um dia” e “Retratos Espelhados” que podem ser vistas no site Behance. Decidiram criar este último projecto com um objetivo simples: “criar e dar a mostrar igualdade a partir daquilo que à partida parece desigual”. “Retratos Espelhados”, é um ensaio fotográfico realizado pelas ruas de Lisboa onde é possível observar os retratos de cada uma delas exactamente à mesma distância focal com um único propósito, a igualdade de género. “Retratamo-nos à mesma distância porque somos iguais”. "Queremos mostrar que somos pessoas normais como todas as outras”, referem as jovens artistas ao P3. “Na nossa relação não há o estereótipo que por norma existe nos casais LGBT. Não tem de haver sempre uma que “veste as calças” e outra demasiado bonita”. “Nós somos ambas princesas”, e o ensaio fotográfico serviu para o mostrar e para “dar a entender aos menos informados e às mentes mais fechadas que afinal gostar de pessoas do mesmo sexo não é nada de outro mundo” e que não tem de haver obrigatoriamente uma diferença de género nas relações.

 

Gonçalo Isento

Eu acho que