Orienta-te Redes Sociais
As propostas já estão a ser analisadas pelo Governo

As propostas já estão a ser analisadas pelo Governo myshutterrocks/Flickr

Está em curso um "processo de revisão transversal a todo o Código da Estrada" Kevin Bongart/Flickr

Prevenção

Taxa de alcoolemia para os mais jovens poderá ser reduzida

Devido ao elevado grau de sinistralidade rodoviária que se verifica nesta faixa etária, é proposta a redução da taxa de alcoolemia permitida de 0,5 g/l para 0,2 g/l

Texto de Rafaela Freitas • 15/12/2011 - 12:56

Distribuir

Imprimir

//

A A

As propostas de alteração ao Código da Estrada, enviadas pela Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP) e pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), já estão a ser analisadas pelo Governo. Para os condutores dos 18 aos 24 anos, aquelas entidades propõem a redução da taxa de alcoolemia permitida de 0,5 g/l para 0,2 g/l, devido ao elevado grau de sinistralidade rodoviária que se verifica nesta faixa etária.

 

Paulo Marques, presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) tinha afirmado, esta quarta-feira, à Lusa concordar com a proposta de redução da taxa de alcoolemia permitida por lei. Ao PÚBLICO, fonte da ANSR disse estar em curso um "processo de revisão transversal a todo o Código da Estrada", iniciativa do Ministério da Administração Interna (MAI), para a qual foram consultadas várias entidades.

 

Uma revisão que Manuel João Ramos, presidente da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M), disse reflectir "recomendações europeias" a um Código da Estrada "totalmente desactualizado". Para Manuel João Ramos, mais do que actualizar o Código da Estrada, deve introduzir-se o "Código de Rua", que estabeleça o "princípio de equidade entre condutores e peões" e contribua para a redução do número de atropelamentos no país. A recuperação do período probatório, aplicável aos recém-encartados, é outra das sugestões da ACA-M, disse o dirigente daquela associação ao PÚBLICO.

 

A ACA-M, que só no início do próximo ano vai entregar as propostas ao Governo, concorda com a Prevenção Rodoviária quanto à proibição do uso do telemóvel em alta voz pelos condutores. Uma opinião que Carlos Barbosa, presidente do ACP, não partilha, afirmando mesmo que entra já no campo do "radicalismo". Para o dirigente do ACP não há benefícios para a segurança rodoviária com uma interdição deste tipo, para a qual reforça "não haver necessidade".

 

Já José Miguel Trigoso, presidente da Prevenção Rodoviária, acredita que a legislação prevê "medidas desproporcionadas" para situações igualmente perigosas. O dirigente da empresa alertou, invocando estudos já realizados, para a influência do telemóvel no condutor, independentemente de estar ou não a segurar o dispositivo. José Miguel Trigoso admitiu estar ciente que a proposta da PRP não pode ser imediatamente legislada, por não haver "maneira de a fazer cumprir". Reforçou, no entanto, a importância da consciencialização e da mudança gradual de hábitos que podem trazer este tipo de medidas.

 

Relativamente à possibilidade de adopção do sistema europeu de carta por pontos, em que o condutor acumula ou perde pontuação conforme as infracções cometidas, Carlos Barbosa disse acreditar que o Governo retome a proposta do Executivo anterior. ANSR e o Ministério da Administração Interna não se manifestaram a este respeito.

Eu acho que

Pub

Videoclipe.pt

Contracepção

Do ponto de vista médico, as pílulas de nova geração são mesmo aconselhadas no “tratamento adjuvante” da acne. “É uma enorme vantagem intervir ao nível...

Entre casais também há violações

Vídeo // A realizadora Chloé Fontaine chamou à curta metragem Je suis ordinaire — o que...