Orienta-te Redes Sociais
Tiago Matos Silva

Tiago Matos Silva é antropólogo, doutorando e investigador

O excerto

"Este Outono não é morte, é promessa de renovação. Também este Outono, como diz o Tolentino Mendonça, não é fim de história, é sonata de germinação, semente de coisa prometida. Temos muito que fazer aí, muito que semear pacientemente nesse nosso chão, muita força para reavivar, muita esperança que reanimar; porque como ensina o amigo Armando, a esperança tem sempre razão."

Nelson Garrido

Crónica

O regresso do Outono

Da Europa de cima não levo deslumbramento nenhum, estamos longe dos Vencidos da Vida ou de 68. Já aprendemos com estes o que tínhamos a aprender

Texto de Tiago Matos Silva • 24/10/2014 - 16:11

Distribuir

Imprimir

//

A A

Abro a janela, fruo o frio húmido, as folhas do parque lá de cima encontram o caminho da nossa janela. O Laginha dedilha doce a acompanhar a Maria João que cresce do computador, enquanto o gato defende a janela das folhas invasoras; olho para os caixotes, “os cartões” como dizem os portugueses de França, a nossa vida novamente encaixotada, desta vez a caminho de casa: Lisboa, à beira-mar plantada.

 

Os amigos em casa insistem “Não! Isto está pior do que nunca!”, os também fora meio incrédulos “Voltam, a sério?!”, a família calada com olhos grandes de desenho-animado japonês, a cachopa excitada com a possibilidade de avião, avião para ela é festa, praia e avós. Eu balanço o coiro contra uma criança, dois gatos, uma mala de roupa, o computador e os papéis de trabalho, metro e autocarro, daqui até Orly.

 

Daqui a meio mês vou estar a chorar as cebolas do Egipto: as bibliotecas luminosas, arejadas e cheias, a separação do estado e da igreja, as cores todas das ruas de Paris... hoje é altura de voltar. Armas e bagagens, garota e gatos, quadros e livros, papéis, roupa, tacharia, desgosto e saudades futuras dos sabores do mundo todo, dum sistema de transportes urbano a sério, dum estado funcional.

 

Da Europa de cima não levo deslumbramento nenhum, estamos longe dos Vencidos da Vida ou de 68. Já aprendemos com estes o que tínhamos a aprender, cheira-me que a vida pulsante e nova está a acontecer lá para a América do Sul. Estes velhos impérios, acabrunhados nas suas impotências, já nem tigres de papel são.

 

Da Maria João a música salta para um Vivaldi (está no “shuffle”): o 3º movimento do Outono, nem de propósito. Este Outono não é morte, é promessa de renovação. Também este Outono, como diz o Tolentino Mendonça, não é fim de história, é sonata de germinação, semente de coisa prometida. Temos muito que fazer aí, muito que semear pacientemente nesse nosso chão, muita força para reavivar, muita esperança que reanimar; porque como ensina o amigo Armando, a esperança tem sempre razão.

 

Acendo um cigarro e sopro o fumo para o tecto ainda arrendado, penso em Lisboa: arrumar novo ganha-pão, reaprender a dizer as bojardas baixinho, voltar a ter a casa cheia de amigos velhos, ver os meus pais e irmãos três vezes por semana, ensinar a criança a falar só uma língua de cada vez, os jornais que leio em papel mesmo, o Bairro Alto, a esplanada da faculdade, bica a cada esquina, escrever com os meus livros à volta, aprender a cozer uma feijoada com a minha mãe.

 

Sim, concentro-me no pastel-de-nata e na Amália, no bom porque não quero lidar agora com as misérias: o Pedro e o Paulo e o Aníbal e o resto da escumalha, a escola a ser desmontada, os hospitais a vapores e os tribunais com “problemas informáticos”, os bandalhos dos bancos e a ínclita classe empresarial nacional, os polícias racistas e a santa madre igreja, os dislates da Belinha do Banco Alimentar e o Marcelo de Maquiavel de pacotilha, o Rio a oferecer-se em última versão de Dom Sebastião analfabeto, a esquerda a subdividir-se infinitamente até à irrelevância final e o Costa à espera que a fruta podre lhe caia finalmente no colo... logo lido convosco quando aí chegar, por agora, estou a regressar.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

"A geração retratada na minha série fotográfica ["Come Hell or High Water"] é a dos jovens que atingiram a idade adulta no momento da viragem de século, os...

A realidade nua e crua de um parto...

Fotografia // "Alerta: um parto é acontecimento bonito, mas é também turbulento e...