Orienta-te Redes Sociais
Tiago Matos Silva

Tiago Matos Silva é antropólogo, doutorando e investigador

O excerto

Na padaria a miúda aponta para os bolos e exige ser satisfeita, eu verifico as correias do carrinho e, logo que sossegado, explico-lhe o que é o défice enquanto compro um bolo para mim e nenhum para ela, o poder absoluto é uma coisa muito linda, e essa história de corromper absolutamente é patranha de francês empoado. A padeira acha mal mas não diz nada, boa colaboradora que é do dono da farinha (o tio João explica e ensina); esta criança não tarda nada transforma-se numa pobre profissional, que falta de chá!

Kai Pfaffenbach/Reuters

Crónica

Arroz de pimentos

Entreolhamo-nos no sofá, ela quer torturar os gatos ou ver desenhos-animados, eu quero ter 22 outra vez (sem filhos, nem contas, nem cabelos brancos)

Texto de Tiago Matos Silva • 08/10/2014 - 13:21

Distribuir

Imprimir

//

A A

Encosto o rabo aos calcanhares e cumprimento os colegas da minha filha, um por um esticam-se a tentar agarrar-me a mãozorra, riem-se da graça de agirem como grandes; parecem o sul da Europa a pensar que engana os brancos do Bundesbank com facécias de crescido. Deixo-os na piscina de areia com a ilusão de controlo, agarro a minha sem ligar às queixas e passo a cancela inacessível aos pequenos. Manipulo-a como um boneco, arranco-lhe sapatos e meias para lhe sacar a areia, ela diz coisas e eu sorrio-lhe condescendente sem escutar nada.

 

Empurro o carrinho a caminho da padaria, ela canta musiquinhas e eu assobio o “Tanto Mar” do Chico, esperamos pelo verde a ver os ricaços nos seus Volvos e BMWs, com montes de manguitos mentais porque os pobres são assim: assanhados e mal-agradecidos para com os criadores de emprego. Cruzamo-nos com um cromo que passeia um furão branco pela trela, com o ar mais normal deste mundo, provavelmente só para provar que a realidade é rica e variada e interessante, provavelmente só para eu ter uma história para contar ao jantar. Agradeço-lhe logo mentalmente, os excêntricos são o sal da vida.

 

Na padaria a miúda aponta para os bolos e exige ser satisfeita, eu verifico as correias do carrinho e, logo que sossegado, explico-lhe o que é o défice enquanto compro um bolo para mim e nenhum para ela, o poder absoluto é uma coisa muito linda, e essa história de corromper absolutamente é patranha de francês empoado. A padeira acha mal mas não diz nada, boa colaboradora que é do dono da farinha (o tio João explica e ensina); esta criança não tarda nada transforma-se numa pobre profissional, que falta de chá!

 

Saio da padaria a assobiar o “Um Tractor” do Sérgio enquanto a garota geme baixinho, baixinho é bom, chateia menos, se cantares um fadinho chamo-lhe arte e espeto contigo no panteão. Passamos pelas burguesas da esplanada do café, óculos escuros ao tempo farrusco, a digitar inutilidades nas suas maquininhas, os cães anõezinhos com a tristeza afivelada ao focinho e o pescoço encoleirado à perna da mesa; porra, tudo me lembra Portugal, devo estar com saudades de casa!

 

Carrego a cria escada acima, já esquecida do desgosto da padaria, bem diz o centrão: ai aguenta aguenta! Eu mudo-me é para aquele cabeço ao pé de Alcácer, cavar batatas e plantar liamba, viver em harmonia com os bichinhos e lavar as vergonhas com óleo de linhaça ou com o que estiver na moda agora, sacar o “Game of Thrones” e apelar à guerrilha urbana na caixa de comentários do P3, só ouvir música com mais de 40 anos enquanto os gatos caçam libelinhas no quintal, sem ter de saber quem é o Wolfgang Schäuble, ou o Justin Bieber, ou a Teresa Guilherme, ou o ébola, ou o Nuno Rogeiro, ó o sossego que haveria de ser!

 

Entreolhamo-nos no sofá, ela quer torturar os gatos ou ver desenhos-animados, eu quero ter 22 outra vez (sem filhos, nem contas, nem cabelos brancos). Negociamos e negociamos e acabamos por arrematar: ela senta-se no chão e embala o boneco careca a que chama Zequinha (porque a mamã é muito de esquerda) e eu avanço com o arroz... abro a janela da cozinha e o volume aos Clash só para lixar os vizinhos, corto a cebola e os pimentos, toma lá sociedade de consumo que já comeste!

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Ilustração

Começou a desenhar aos 13 anos a ver tutoriais. Agora, com 17, Mariana Ferreira, Cherry Boniu na net, é um caso de sucesso no Tumblr, onde acumula milhares de...

A realidade nua e crua de um parto...

Fotografia // "Alerta: um parto é acontecimento bonito, mas é também turbulento e...