Orienta-te Redes Sociais
O digital é o sofá de Diana Albuquerque Abrantes, o marketing a sua sala e o mun

O digital é o sofá de Diana Albuquerque Abrantes, o marketing a sua sala e o mundo a sua casa

Excerto

Mas se nos restituir tudo isto, ou pelo menos a maioria, prometemos ficar por cá e atingir este objectivo comum. Prometemos um rectângulo à beira-mar plantado cheio de petizes interessados, guerreiros, corajosos e felizes.

Petr Josek/Reuters

Crónica

Caro Passos Coelho: ouça as minhas sugestões, quero ser mãe

É que 100 menos 25, menos 11, menos 7, menos 3,5, menos 2,5, menos o subsídio dá… quase nada

Texto de Diana Albuquerque Abrantes • 25/03/2014 - 18:18

Distribuir

Imprimir

//

A A

Caro Pedro,

 

Soube da sua preocupação com o baixo índice de natalidade. Compreendo a sua inquietação com um dos mais graves problemas do país e, como membro integrante da nossa juventude, partilho da sua angústia com esta pirâmide que teima em inverter-se cada vez mais. Escutei-o dizer que está disponível para “ouvir uma série de sectores e pessoas”, então aqui estou empenhando toda a minha proactividade que, como todos sabemos, é uma qualidade que muito aprecia e incentiva.

 

O meu espírito é colaborativo, por isso não entrei por medidas altamente criativas, que pudessem rapidamente ser catalogadas como utópicas e sonhadoras. Limitemo-nos a falar em melhores práticas de outrora:

 

1 – Devolver-nos o emprego. É que as fraldas são caras. E as papas e a roupa e os medicamentos e a creche. E os brinquedos, que também são precisos.

 

2 – Devolver-nos os contratos justos. Não que sejamos gente de se acomodar, mas só para termos uma garantia mínima de que de um dia para o outro não deixaremos de estar empregados. E que quando deixarmos de ser úteis, usufruiremos das ajudas que são nossas por direito.

 

3 – Devolver-nos a taxa e a sobretaxa e a taxa sobre a taxa por sua vez já taxada. É que 100 menos 25, menos 11, menos 7, menos 3,5, menos 2,5, menos o subsídio dá… quase nada.

 

4 – Devolver-nos a progressão de carreira. Um congelamento físico é doloroso mas este molesta ainda mais.

 

5 – Devolver-nos a hora diária extra no horário laboral. É que nessa hora conseguimos ligar a máquina de roupa, pôr o jantar ao lume, arrumar os legos espalhados pela casa e ainda dar banho ao traquina antes de o deitar.

 

6– Devolver-nos a reforma. É que uma mamã com a ajuda de uns avós disponíveis é sempre uma melhor mamã.

 

7 – Devolver-nos a confiança. Eu sei, é o mais difícil. A maioria das vezes nem um amor assolapado consegue colar cacos outrora partidos. Mas é o mais importante. E uma vez recuperada, motivação reforçada, caminho desimpedido.

 

Tenho a certeza que o professor Joaquim Azevedo e a sua equipa terão outras óptimas sugestões para que deixemos de estar em “alerta super vermelho”, como o próprio classificou. Mas se nos restituir tudo isto, ou pelo menos a maioria, prometemos ficar por cá e atingir este objectivo comum. Prometemos um rectângulo à beira-mar plantado cheio de petizes interessados, guerreiros, corajosos e felizes.

 

Com os melhores cumprimentos, Eu. Nós, a juventude do seu país

Eu acho que
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Porto

O quiosque amarelo que leva turistas em “passeios do piorio” pelo Porto pode fechar no final deste ano. A Câmara do Porto diz que o contrato não foi cumprido...

Ser mãe é a melhor coisa do mundo?...

Ilustração // Ser mãe é a melhor coisa do mundo. Ser mãe nem sempre é a melhor coisa do mundo...