Orienta-te Redes Sociais
Miguel Ponte

Miguel Ponte é estudante de Ciências Farmacêuticas. No laboratório, mistura Teatro e escrita em tubos de ensaios. E depois agita

Excerto

Percebes agora que devias ter investido naquilo que és, e no qual és mesmo bom. Naquilo que te absorve 25 horas por dia, se necessário, e te pareceram dez minutos. Gastaste recursos, humanos e financeiros, os teus pais, a tua sanidade, o teu tempo. E andaste aos ziguezagues para chegar aqui

Flickr/nicole.pierce.

Crónica

Geração ziguezague

Ou também se podia chamar geração “curva e contra-curva”. Eu faço parte deste movimento demográfico. Tu, provavelmente, também

Texto de Miguel Ponte • 31/01/2014 - 13:53

Distribuir

Imprimir

//

A A

Geração ziguezague. Ou também se podia chamar geração “curva e contra-­curva”. Eu faço parte deste movimento demográfico. Tu, provavelmente, também.

 

Começaste a gatinhar e a perseguir os teus sonhos. Primeiros os mais terrenos e palpáveis: a mama da mamã, o brinquedo, montar uma bicicleta. Mais tarde, quiseste ser bombeiro, bailarina, actor, polícia. A pergunta chegava-te de várias frentes, mas sempre igual, “que queres ser quando fores grande?”. O sonho, esse, era encorajado, motivado e admirado. Que bom, já sabe o que quer da vida!

 

É mais tarde que dás a primeira curva. Percebes que o teu sonho é, provavelmente, apenas isso. Afinal, a direcção é outra. Afinal o importante é um curso. Precisas d’“O canudo”, como eles dizem. Daqueles reconhecidos que não provocam pena alheia nos jantares de família. Deves seguir um percurso académico de excelência e guardar os teus “hobbies” e paixões numa caixinha de sapatos debaixo da cama, para abrir uma ou outra vez por semana, à noite. Isso sim, é a vida, o teu futuro e a tua responsabilidade. Estudar, obter “O canudo”, arranjar uns estágios, um emprego seguro e constituir família aos trinta.

 

A parte curiosa é a terceira curva. Já tarde (demais, talvez), vês as tuas expectativas furadas. Afinal “O canudo” é apenas um canudo. Os estágios, atentados à dignidade laboral. A família? Nem vê-la. Só a tua, quando fores morar de novo com os teus pais. O emprego seguro é, afinal, um sonho, e a única coisa de que tens a certeza é de que o teu sonho nunca te pareceu tão presente.

 

Percebes agora que devias ter investido naquilo que és, e no qual és mesmo bom. Naquilo que te absorve 25 horas por dia, se necessário, e te pareceram dez minutos. Gastaste recursos, humanos e financeiros, os teus pais, a tua sanidade, o teu tempo. E andaste aos ziguezagues para chegar aqui.

 

É cruel, mas é verdade: mais valia ter ido em frente, logo desde início.

Eu acho que
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Fotografia

Disciplina. Atenção. Aperfeiçoamento. Amor. Expressão. Até tocar nas estrelas. São todas estas "aspirações humanas" que o australiano Niv Novak encontra no...

Bernardo disfarçou-se de turista e...

Livro // Quis olhar para o sector do turismo em Portugal como estrangeiro e, para isso,...