Orienta-te Redes Sociais

Pedro Fernandes

Pedro Fernandes

Luís Simões

Turquia

Há portugueses a desenhar nos protestos de Istambul

Luís Simões e Pedro Fernandes, membros da comunidade Urban Sketchers, estão em Istambul. Assistiram aos protestos na praça Taksim e decidiram fazer uma “cobertura desenhada”

Texto de Ana Maria Henriques • 06/06/2013 - 12:41

Distribuir

Imprimir

//

A A

Chegou à Turquia a 30 de Maio, um dia antes da onda de protestos ter rebentado, em Istambul. Luís Simões está a fazer uma viagem pelo mundo, a World Sketching Tour, e ficou surpreendido com o que viu na praça Taksim, naquela cidade. “Pelas artérias até Taksim havia muitas pessoas, ouviam-se gritos, alguns turistas bebiam cervejas tranquilamente, inconscientes do que se passava”, relata, via e-mail, ao P3.

 

O que se passava era uma das várias manifestações na cidade turca. Começaram por ser contra a decisão de construção de um centro comercial no parque Gezi — um acampamento pacífico — e evoluíram para demonstrações de descontentamento com o governo de Recep Taiyyip Erdogan.

 

“A violência da carga policial da madrugada de 31 de Maio, recorrendo a gás-pimenta [sobre o acampamento pacífico], levou a que milhares se juntassem durante o dia para protestar contra a actuação da polícia”, relata Pedro Fernandes, a viver em Istambul desde 2012, junto a Taksim. “Decidi fazer a cobertura desenhada [vê a galeria] do que se passava para registo futuro e para partilhar com a comunidade de desenhadores Urban Sketchers.”

 

“O cenário de guerra está montado entre Taksim e Besiktas e todas as noites existem manifestações grandes nessa zona, assim como pequenos movimentos por toda a parte em Istambul”, diz Luís. Os dois portugueses — um recém-chegado, o outro já habituado à cidade — estiveram juntos a desenhar, após os confrontos com a polícia, no bairro de Besiktas, e ainda sofreram as consequências do gás-pimenta.

 

Para Luís foi “impressionante” poder registar, no papel, o que acontecia. “A minha mão tremia muito e foi difícil estar concentrado [...] Havia o medo de que a polícia voltasse a atacar a praça e corria o perigo de ficar ali preso”, descreve. “A verdade é que ainda não consegui digerir bem tudo o que está a acontecer e sempre que olho para o desenho fico incomodado.”

 

Um domingo (quase) normal em Gezi

Depois de sexta-feira e sábado (31 de Maio e 1 de Junho, respectivamente) terem sido dias agitados, Pedro decidiu passar pelo Parque Gezi — cuja hipótese de destruição despoletou os protestos — “para ver como estavam as coisas”, no domingo. “O ambiente era ‘piqueniqueiro’, muitas famílias tinham trazido as crianças para brincar no parque infantil”, retrata.

 

Enquanto isso, em Taksim, “jaziam carcaças de automóveis” e as pessoas “passavam em frente das retro-escavadoras esventradas”. “Tentei desenhar o enorme aparato policial em Besiktas, mas sempre com bastante prudência e discrição. Houve tantas detenções e espancamentos aleatórios nestes últimos dias... — e eu nenhuma vontade tinha em fazer parte dessa estatística”, confessa Pedro.

 

A reacção de quem passa e vê pessoas a desenhar “varia muito”: muitos acham “curioso” e param para olhar, outros fotografam, refere Pedro. Há quem tente conversar num misto de “turco inglês e até alemão” e quem “peça desculpa pela actuação da polícia”. Uma manifestou-me perguntou-lhe, ao saber que era estrangeiro, se teve medo. “Só da polícia”, respondeu.

 

Neste momento, diz, vive-se um impasse. “O primeiro-ministro recusa demitir-se, rejeita o recuo na construção do empreendimento de Taksim e acusa os manifestantes de serem anti-democráticos e estarem a ser manipulados pela oposição”, esclarece. Os manifestantes mantêm o cerco ao palácio de Dolmabahçe e as manifestações continuam em várias cidades turca — as mais violentas em Istambul e Ancara.

Eu acho que
P3 now speaks English. See our galleries

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Vídeo

Desde 2000, estima-se que dez mil crianças palestinianas tenham sido detidas pelo exército israelita. A cada 12 horas, uma será detida, interrogada, processada...

Vive-se com VIH. O que mata é o...

Saúde // Ter VIH já não é uma sentença fatal, mas o preconceito continua à espreita. E...