Ainda existe no mundo um clube de fãs do Estaline

autoria P3

// data 19/12/2016 - 11:17

// 7508 leituras

Josef Estaline nasceu em Gori, na Geórgia, onde um séquito lhe permanece incondicionalmente fiel. Já são poucos os estalinistas, mas são convictos, ferverosos. "Estaline simboliza para mim o que Jesus Cristo simboliza para as pessoas religiosas", disse à Reuters Shalva Didebashvili, de 78 anos. A relação da Geórgia com o seu passado soviético é invariavelmente um ponto de discórdia entre georgianos. Uns são saudosos desse passado - ligado à prosperidade económica de uma minoria - e outros vêem-no apenas como um contratempo histórico. Apesar da mão de ferro com que Stalin governou a União Soviética - governação que ficou marcada por repressão massiva, pelos castigos em campos de trabalho siberianos e pela fome - a idosa Stefanishvili, economista reformada, vê no ditador um homem exemplar. "Todas as manhãs vou ao quarto [onde guardo toda a memorabilia] e dou os bons dias a Stalin... Estou presente em todas as ocasiões, nos aniversários de vida e de morte", conta à agência noticiosa. "Tenho pinturas, muitos livros sobre Estalin, bustos, jornais da época, souvenirs. A maioria das coisas comprei, mas muitas foram oferecidas; algumas foram mesmo encontradas no lixo." A maioria dos estalinistas georgianos pertencem ao partido comunista, um partido desprezado por parte dos jovens, que nutrem simpatia pela União Europeia e pela NATO. Por esse motivo, os indícios de que Gori foi a cidade natal de Estaline foram desaparecendo. Depois de 2011, dezenas de monumentos da era soviética foram retirados e as ruas foram rebaptizadas de forma a apagar os vestígios do comunismo. "Tento sempre estar presente nas comemorações do aniversário de Estaline, em Gori. Infelizmente, a maioria das pessoas não se junta a nós, mesmo que viva perto. Limitam-se a olhar-nos das suas janelas."

Eu acho que