Orienta-te Redes Sociais

João Labrincha continua à rasca, é activista da Academia Cidadã e trabalha diariamente para fazer de cada cidadão um político

Excerto

A 12 de Março de 2011, com a Geração à Rasca, fugiu-lhes o controlo que achavam ter sobre a contestação em Portugal. Nunca pensaram, de tão autocentrados, que era possível haver manifestações não organizadas por sindicatos ou partidos.

Facebook

Blogue

Ar Salgado

Luís Octávio Costa

Crónica

Que Se Lixe o Podemos Falar

Precisamos de um Podemos em Portugal, que pode ter outro nome, mas precisará da mesma audácia, coragem e vontade de tirar do poder a casta corrupta representada por PS, PSD e PP

Texto de João Labrincha • 24/11/2014 - 10:25

Distribuir

Imprimir

//

A A

Em 2012 nasceu um movimento que, imitando o modelo do Protesto da Geração à Rasca (GaR), tomou o nome de Que Se Lixe a Troika (QSLT). “Apartidário, laico e pacífico” era o mote da GaR. Dos três valores, apenas o primeiro foi assumido pelo QSLT – tal não podia ser mais falso. Alguns artigos de jornal e blogues explicam como este “movimento” foi, sim, instrumentalizado pelo PCP e BE. Em reuniões à porta fechada, pessoas destes partidos decidiam votar em bloco as acções que iriam ser discutidas e aprovadas em encontros públicos.

 

Num deles proibiu-se a continuação de grupos de trabalho setoriais autónomos (chamados “marés”) sobre a saúde, educação, cultura, etc.. Poderiam ter desembocado em coletivos mais organizados, quem sabe num novo partido, como aconteceu em Espanha com o Podemos.

 

Com isto, os partidos asfixiaram o movimento social português. O PCP tem as suas organizações - para a juventude a JCP, para a luta das mulheres o MDM, a CGTP para os trabalhadores, etc. - e sempre fez por anular a existência de outras. O BE – com forte ascendência sobre os Precários Inflexíveis, Colectivo Habita, SOS Racismo, Panteras Rosa - tentou fazer o mesmo, sem a postura conservadora do PCP, nem metade da experiência.

 

A 12 de Março de 2011, com a Geração à Rasca, fugiu-lhes o controlo que achavam ter sobre a contestação em Portugal. Nunca pensaram, de tão autocentrados, que era possível haver manifestações não organizadas por sindicatos ou partidos.

 

Vai daí, inventaram, a seguir, um movimento novo: o QSLT.

 

Na luta pelo controle da luta o PCP ganhou – vejam-se os resultados eleitorais e como a contestação, fora do enquadramento da CGTP, desapareceu das ruas – e o BE perdeu(-se), nas urnas e entre o movimento social que ainda lhe tinha algum respeito. Os ativistas desmoralizaram, perderam forças ou simplesmente fartaram-se de ser ludibriados, esmagados – não só pelo Governo, com quem já contavam – mas por quem devia estar ao seu lado.

 

O QSLT esfumou-se nas contradições e mentiras dos seus dirigentes autoproclamados não assumidos. O cúmulo foi a “manifestação” convocada um ano depois da primeira, a 15 de Setembro de 2013, onde estiveram meia dúzia de pessoas.

 

Mas não se esfumou o ímpeto controleiro do Comité Central do QSLT, destruidor das genuínas boas-vontades de quem procura uma mudança fora das fórmulas autoritárias dos partidos tradicionais. Decidiu travestir-se, tem um novo nome: Podemos Falar. PCP e BE tremem de medo que apareça em Portugal um partido como o Podemos espanhol ou o Syriza grego, porque isso esvaziaria as suas fileiras. As mesmas pessoas que têm destruído o movimento de contestação, querem agora destruir (ou, pelo menos, adiar com conversas, conferências e comiciozinhos inócuos) a possibilidade de pessoas independentes criarem um novo partido, usando as tácticas estalinistas do QSLT.

 

Uma jornalista amiga, que investigou o Podemos espanhol, disse-me que eles tinham técnicas para que os comunistas fossem os últimos a saber das decisões e acções. Isto terá sido essencial para o não boicote à nascença. Na Assembleia Cidadã do Podemos espanhol cerca de 90% votaram que ninguém de outro partido podia lá ficar. Em Portugal, a lei nem sequer autoriza a dupla filiação. Então, por que raio se continuam a fazer reuniões para criar um partido onde pululam membros assumidos e infiltrados de partidos velhos, cujo último desejo é o aparecimento de uma nova força política?

 

Mais ainda. Não precisamos de partidos novos que queiram ser apenas uma Secretaria de Estado do próximo governo PS, como o Livre; nem dos velhos que, à esquerda e à direita, esmagam a iniciativa e a voz dos cidadãos.

 

Precisamos de um Podemos em Portugal, que pode ter outro nome, mas precisará da mesma audácia, coragem e vontade de tirar do poder a casta corrupta representada por PS, PSD e PP. Precisamos e podemos. Temos que ser firmes, estar alerta, usar a nossa inteligência e dedicação. Se não o fizermos, nós, “mães, pais e filhos de Portugal”, ninguém o fará. E eu sei que teremos milhões de pessoas do nosso lado. Já basta de tanto falar. Chegou a hora de actuar!

 

NOTA: “Há vida para lá do Podemos Falar”

- Participa nas reuniões abertas do Círculo Podemos Lisboa.

- Dinamiza o Podemos Porto ou na tua localidade.

- Cria um partido com os teus amigos.

- Tenho falado com muitas pessoas que também querem criar um novo partido. Vamos concretizá-lo?

Eu acho que
Videoclipe.pt

Audio

Laura quer que as pessoas entrem no atelier dos artistas "com um clique"

Media

Inspirada no Twitter e criada por um programador de 24 anos, a Mastodon é descentralizada e não tem publicidade. Não é a primeira plataforma do género

52 plantas e uma vida mais calma

Instagram // Em dois anos, coleccionou 52 plantas. Fora as que ofereceu, fora as que...